Arquivo para janeiro \31\America/Sao_Paulo 2010

31
jan
10

Toques da Palavraria: Apresentando o livro

.

toques.

Para invocar. Para divertir. Para provocar.

Toques para

[01] Apresentando o livro. Vídeo em tom farsesco que sintetiza a história da evolução do papiro para o livro, mostrando possíveis dificuldades envolvidas nessa transição. Tradução de Alexandre Moreira da Silva.


.

compre na palavraria.

28
jan
10

tributo a daniel bensaid

.

Palavraria convida:

26
jan
10

Quatro poemas de Atílio Macunaíma

Ainda a propósito da presença entre nós de Atílio Macunaíma, publicamos quatro poemas selecionados pelo autor especialmente para este post.

.

Bar “Garota de Ipanema”

Río de Janeiro 1995, a Daniel Bosch y a Pablo Escobar

avenida vinicius de moraes
los amigos como niños devotos
de primera comunión
se sentaron una por una
en cada mesa
planeando como moscas
alí  lá
tal vez ahí  o un poco más allá
se sentaron tom y vinicius
los amigos ocuparon todas las sillas del bar
-en representación del mundo-
donde aquellos dos
fumaron cigarillos
y probaron la eternidad de la cerveza.

de ¨La bufanda del aviador¨,
ediciones de la Banda Oriental, diciembre 2008

.

Hendrix en el subway

“Wolfang Amadeus Mozart entrou no ceú, como um artista de
circo, fazendo piruetas extraordinárias sobre um mirabolante
cavalo branco”.
Manuel Bandeira

hendrix no entró en el cielo
sobre un caballo cabriolante
con cascos de clave
y crin empolvada
simplemente
descendió las escaleras mecánicas
pasó por el infierno
como quien viaja en el subway
su alma aúllaba como un perro
eléctrico
jimi arañaba las nubes
dibujando riffs como torres
mientras la Otra
la muy zorra
con dedos de carterista
le robaba la vida
hendrix no entró al cielo
entre fanfarrias y coros de ángeles
ni tuvo un poema de manuel bandeira
cruzó el umbral
entre hipos de ebrios
y la risa de las damas eléctricas
jimi hundió su cabeza
en una almohada blanda
-sobredosis-
para pasar de un sueño al hoyo
y dormirse una siesta eterna
de subterráneo.

a Carlos Perdomo
de ¨La bufanda del aviador¨

.

Love and theft

“nada puede estar tan mal, si Dylan está por sacar un disco nuevo”
Patti Lee Smith

si oíste “song to woody”
o al menos alguna vez  a una mujer “quebrarse como una niña”
sabés de qué se trata.

celebro        bob dylan
que siempre podamos encontrarnos
a pesar del inglés que hablo como un coolie
“ is ol over nau, beibi blu”-
y que leo como un nordestino semianalfabeto
escucho        bob dylan
palabras zumbonas como tábanos
de un verano del mississippi
en un verano de atlántida
donde siempre amenazas las siestas
formidable catedral de huesos
pájaro de los pantanos con smoking
siempre parado en el breve
pero genial
momento que permite el bourbon
-¨merci bien    merci beaucoup¨ –
celebro      bob dylan
el hilo hebreo entre mis sienes
que siempre nos permite encontrarnos
como un pie de vaquero en una bota tejana
escucho    bob dylan
tu garganta de urraca
capaz de abrir un espacio
entre los truenos de la misilística de los insectos
-como decía elder silva-
para que  sylvia y yo
-cada cual a su modo-
celebremos love and theft
el disco que hiciste
a  tus sesenta años
una puerta giratoria
que hace del futuro un asunto pasado.

de ¨La bufanda del aviador¨

.

Coronel Dagoberto

Si existiese
así
un pájaro de la aurora
canto de la mañana
lleno de la gracia
de todas las mañanas
del mundo
prodigioso y esquivo
como un gol sobre la hora
el último bus a ninguna parte
un billete premiado de lotería
o la primera dama de francia
el cantaría
las saudades del coronel
al sur del sur.

Inédito (dedicado al Coronel Dagoberto Rodrigues, ex director de Correos de Rio de Janeiro, muerto en su exilio montevideano)

25
jan
10

Nota sobre La bufanda del aviador

Conforme já anunciado em nossa programação, nesta sexta, 29, a Palavraria receberá a visita do poeta uruguaio Atílio Duncan Pérez da Cunha, o Macunaíma, para o lançamento em Porto Alegre de seu livro de poemas La bufanda del aviador. Para que conheçamos um pouquinho mais sobre o poeta e seu livro, transcrevemos abaixo uma nota escrita pelo jornalista Élbio Barilari, publicada no jornal El País a propósito do lançamento deste livro em Montevidéu, em 2008.

.

Nota sobre La Bufanda

Elbio Rodríguez Barilari, Diario EL PAIS de Montevideo, diciembre 2008

“Macunaima” lanzado con bombos y platillos, tamboriles, bajos y guitarras. Haciendo historia a varias puntas.

El volumen publicado por Ediciones de la Banda Oriental confirma el lugar único de “Macunaíma” dentro de la cultura uruguaya.

La bufanda del aviador es un libro que anda en carne viva. Y que, como su autor, hace historia.

Colectivamente, los uruguayos nos debíamos algo así, escrito desde la experiencia, los dolores y las alegrías más abismales. Y por un gran poeta.

Macunaíma fue el título de una novela del brasileño Mario de Andrade. En 1969, nos tocó ver la película dirigida por Joaquim Pedro de Andrade, que le dio nueva vida al personaje. Y de paso, le dio un apodo a Atilio Duncan Pérez da Cunha, quien se quedó para siempre “Macunaíma”.

.

.

Nuestro “Macunaíma” sabe que en última instancia, toda literatura es autobiográfica. Y se zambulle en una historia personal que es también generacional.

La bufanda del aviador recoge sin tapujos la experiencia de los que crecimos y estudiamos en el Uruguay anterior a la dictadura, con sus pros y sus contras. Y luego nos bancamos enterita la dictadura, sin anestesia.

Una generación para la que el rock y la nueva canción, el cine norteamericano, Fellini, Antonioni y Bergman, se mezclaban con el caos de la enseñanza, los tupamaros, el pachecato y la polarización política de un país que se iba cerrando paulatinamente cualquier salida sensata.

Era la Biblia junto al calefón. Jimi Hendrix y el Che Guevara. Zitarrosa y Janis Joplin. Cortázar y la odiosa marcha de las Fuerzas Conjuntas. Un país en el que la sensación de estar vivo era vertiginosa y crispada.

.

.

Dominaba una sensación de urgencia. De hacer, hacer, hacer. Y “Macunaíma” fue un hacedor desde sus programas de radio en CX 42 Radio Vanguardia, que estaba en un altillo del Teatro Stella. Y desde los espectáculos que produjo.

Macunaíma 1, 2, 3 y 4 fueron como una continuación de las Musicaciones y de la serie de los Conciertos de la Rosa. Allí había rock, canto popular, danza, poesía, jazz o tango, todo en la misma noche.

El Expression Jazz Quartet y el Pájaro Canzani. Darnauchans y el entrañable Homero Campistrouz tocando el Concert for Cootie de Duke Ellington. Y “Macu” con sus poemas.

En un tiempo recorrimos barrios, él diciendo su poesía, yo acompañándolo en la guitarra. Hasta en Canal 12 con Ignacio Suárez estuvimos.

“Macunaíma” fue publicando sucesivos libros. Su intensidad sin atenuantes y su apego a Bob Dylan y a los poetas beatniks estadounidenses no fue disfrutado por el “establishment” literario.

.

.

La poesía uruguaya estaba extraviada en laberintos de citas culturosas y jueguitos de palabras cruzadas, pueriles al fin.

A fines de los 70 la poesía de “Macunaíma” fue descrita como “dylaniana y tanguera”, dos elogiosos calificativos. Y así ha seguido.

Escribir poesía, cuando uno no usa escudos formales ni guantes de seda estilísticos, puede ser una operación dolorosa.

Como Líber Falco, “Macunaíma” es un “entrañudo”. Como aquel, “Macunaíma” escribe desde la orilla del mundo. La memoria y la muerte, dos de los grandes temas de la poesía universal, son presencias recurrentes.

Y hay memorias concretas, que en este caso me toca compartir. Como aquel altillo cerca del Palacio Legislativo donde escuchábamos blues y a Paco Ibáñez. El viejo IPA.

Los recitales. Las “pinzas” policiales que nos hacían bajar del ómnibus porque éramos jóvenes y usábamos el pelo largo. Darnauchans. El “Choncho” Lazaroff.

Pero el “Macu” siempre le puso a todo una cuota de humor que también está presente en su poesía. A la manera de Ernesto Cardenal, desafía burlonamente a la muerte. O se inventa un desopilante viaje ficticio a través de Estados Unidos en busca del indestructible poeta Lawrence Ferlinghetti. El mismo que nos bautizó en grupo (junto a Víctor Cunha y Elder Silva,) como los Urubeatniks.

.

.

“Macunaíma” ha sido definido como un poeta del rock y sus consecuencias. Entre las consecuencias, hay que contar el imponente, conmovedor desfile artístico que apoyaba la presentación de su libro en la Sala Zitarrosa.

24
jan
10

Aconteceu na palavraria: show de sebastián jantos

Sábado, 23, o cantor e compositor uruguaio Sebastián Jantos encantou com suas canções a todos quantos estavam na Palavraria. Perfeita integração entre cantor e público. Participação especialíssima de Mário Falcão. Grande momento.

.

.

.

.

.

.

.

21
jan
10

Aconteceu na palavraria: lançamento da revista norte

Terça-feira, 19, Vitor Necchi, Tito Montenegro e Fernanda Barbosa comandaram na Palavraria o lançamento da revista Norte-12. Bastante comemorado foi o prêmio de destaque recebido pela revista na 16ª edição do Prêmio Açorianos.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

18
jan
10

Aconteceu na palavraria: encontro de Rafael Jacobsen e Cíntia Moscovich

Neste último sábado, 16, Palavra – Alegria da Influência, promoção do Jornal Vaia, trouxe à Palavraria Rafael Bán Jacobsen e Cíntia Moscovich, que falaram sobre suas obras a um atento público. Bianca Obino apresentou um pocket com canções de sua autoria e interpretações de clássicos da mpb.

.

.

.

.

.

.

.

11
jan
10

Um poema de Oliveira Silveira

Um poema de Oliveira Silveira (1941-2009)


O poeta com Ronald Augusto, em bate-papo na Palavraria
Obrigado, minha terra

Obrigado rios de São Pedro
pelo peso da água em meu remo.
Feitorias do linho-cânhamo
obrigado pelos lanhos.
Obrigado loiro trigo
pelo contraste comigo.
Obrigado lavoura
pelas vergas no meu couro.
Obrigado charqueadas
por minhas feridas salgadas.
Te agradeço Rio Grande
o doce e o amargo
pelos quais te fiz meu pago
e as fronteiras fraternas
por onde busquei outras terras.
Agradeço teu peso em meus ombros
músculos braços e lombo.
Por ser linha de frente no perigo
lanceando teus inimigos.
Muito obrigado pelo ditado
“negro em posição é encrenca no galpão”.
Obrigado pelo preconceito
com que até hoje me aceitas.
Muito obrigado pela cor do emprego
que não me dás porque sou negro.
E pelo torto direito
de te nomear pelos defeitos.
Tens o lado bom também

– terra natal sempre tem.
Agradeço de todo o coração
e sem nenhum perdão.
(Pêlo escuro, 1977)
10
jan
10

Programação de janeiro/fevereiro de 2010

Além dos cursos de verão com as oficinas dos escritores Ronald Augusto (dias 06, 13, 20 e 27 de janeiro e 03 de fevereiro, às quartas-feiras) e Lehgau-Z Qarvalho (12 a 28 de janeiro, às terças e quintas), a programação de 2010 na Palavraria começa com quatro eventos em janeiro: encontro dos escritores Rafael Jakobsen e Cintia Moscovich, debate sobre o Bairro Independência, um pocket-show com o músico uruguaio Sebastian Santos e o lançamento do livro La bufanda del aviador, do poeta uruguaio Atílio Duncan Pérez da Cunha. Abaixo detalhes dessa programação. Para mais detalhes, informe-se pelo telefone 3268 4260 ou pelo email palavraria@palavraria.com.br.

.

Programação sujeita a alterações. Informe-se para confirmar.

.

06, 13, 20 e 27 de janeiro e 03 de fevereiro, às quartas-feiras: Linguagem: o lugar da poesia, oficina com Ronald Augusto

.

12, terça, das 19 às 21h: Início do Curso de Desinibição Textual e Escrita Criativa, com Lehgau-Z Qarvalho (de 12 a 28 de janeiro, terças e quintas, das 19 às 21h)


16, sábado, 18h30: Encontro literário de Cíntia Moscovich e Rafael Jacobsen. Pocket show com Bianca Obino. Da série Palavra – Alegria da Influência, produção de Fernando Ramos (Jornal Vaia). Entrada franca.

O jornal Vaia, em parceria com a livraria Palavraria, dá continuidade, em 2010, neste mês de janeiro, ao evento literário Palavra – alegria da influência. Em sua décima terceira edição, o evento contará com a presença dos escritores Rafael Bán Jacobsen e Cíntia Moscovich.

O programa promove encontros literários mensais, e sempre com a presença de um escritor da nova geração (anfitrião do encontro) e de outro já consolidado no cenário literário e da predileção (referencial ou inspirador) do anfitrião, para conversar a respeito de seus trabalhos, ler textos e debater ideias sobre suas respectivas produções literárias.

Sempre aberto ao público leitor interessado em questionar e participar do debate literário e conhecer melhor o pensamento e o trabalho dos autores convidados, o programa traz ainda ao final do encontro um pocket show de um músico convidado especialmente para a ocasião. Nesta edição o pocket será da compositora, violonista e cantora Bianca Obino.

Já participaram do Palavra – alegria da influência os escritores Everton Behenck e Fabrício Carpinejar, Sidnei Schneider e Jorge Rein, Monique Revillion e Charles Kiefer, Laís Chaffe e Celso Gutfreind, Reginaldo Pujol Filho e Luis Fernando Veríssimo, Rodrigo Rosp e Ricardo Silvestrin, Leandro Dóro e Caio Riter, Ítalo Ogliari e Luiz Antonio de Assis Brasil, Marlon de Almeida e Maria Carpi, Reginaldo Pujol Filho e Amilcar Bettega, Luiz Horácio e Moacyr Scliar, Maria Rezende e Martha Medeiros.

Entrada franca

Informações: 3268-4260 OU 9892-3603

PRODUÇÃO/REALIZAÇÃO: Jornal VAIA

APOIO: Livraria PALAVRARIA

Contatos para divulgação: Fernando Ramos (jornalvaia@gmail.com e 51-9892-3603)

Sobre os autores:

Rafael Bán Jacobsen nasceu em 21 de maio de 1981 em Porto Alegre. É físico, professor, pianista e escritor. Participou de inúmeras coletâneas e tem grande quantidade de artigos publicados em jornais e revistas. Em 1998, lançou seu primeiro livro individual, Tempos & Costumes, recebendo o Prêmio Açorianos de Destaque em Narrativa Longa. Em 2005, lançou seu primeiro romance, Solenar, também agraciado com o Açorianos em 2006. Em 2009, lançou seu segundo romance, Uma Leve Simetria, finalista no Prêmio Açorianos de Literatura 2009, na categoria Narrativa Longa. Seu terceiro romance, Imemorial das Pedras, no prelo, foi contemplado com a concorrida Bolsa Funarte de Criação Literária em 2009. É sócio do Grêmio Literário Castro Alves (GLCA), da Casa do Poeta Rio-Grandense (CAPORI), membro do Partenon Literário e ocupante da Cadeira número 11 da Academia de Artes Ciências e Letras Castro Alves (AACELCA). Trabalha, atualmente, com pesquisa em Cosmologia e em Física Nuclear e de Partículas na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), onde realizou bacharelado e mestrado.

Cíntia Moscovich. Nascida em 15 de março de 1958 em Porto Alegre, Cíntia Moscovich é escritora, jornalista e mestre em Teoria Literária. Em 1996, publicou sua primeira obra individual, O reino das cebolas, que mereceu a indicação ao Prêmio Jabuti da Câmara Brasileira do Livro. Em 1998, lançou a novela Duas iguais – Manual de amores e equívocos assemelhados, que recebeu o Prêmio Açorianos de Literatura, na modalidade de Narrativa Longa, em 1999. Em outubro de 2000, lançou o livro de contos Anotações durante o incêndio, merecendo outra vez o Prêmio Açorianos de Literatura. Em 2004, publicou a coletânea de contos Arquitetura do arco-íris, livro que lhe valeu o terceiro lugar em contos no prêmio Jabuti, além da indicação para o Prêmio Portugal Telecom de Literatura Brasileira e para a primeira edição do Prêmio Bravo! Prime de Cultura. Em novembro de 2006, lançou o romance Por que sou gorda, mamãe?. Essa obra mereceu indicação para o Prêmio Portugal Telecom e venceu ainda o Prêmio Açorianos de Literatura, na categoria Narrativa Longa e Livro do Ano. Em dezembro de 2007, lançou seu sexto livro individual, o romance infanto-juvenil Mais ou menos normal, que faz parte da série Cidades Visíveis, da Publifolha.

Músico convidado: Bianca Obino
Natural de Porto Alegre (RS). Cantora, violonista, compositora e orientadora vocal sua formação musical iniciou por volta dos 10 anos quando teve suas primeiras aulas de violão com Davi Moreira, sendo que aos 13, já atuava musicalmente em festas, formaturas e eventos, normalmente no formato violão e voz. A prática de tocar e cantar levou-a ao desejo de também desenvolver suas potencialidades vocais ingressando no curso de bacharelado em Canto da Universidade Federal do RS (UFRGS), em 2003 após preparo técnico com Vilma Gomes. Durante e após o período acadêmico concluído em 2007, fez cursos e oficinas de especialização em Porto Alegre, Curitiba, São Paulo, Rio de Janeiro, e recentemente, em Florença, sob orientação da soprano italiana Patrizia Morandini.

.

19, terça, 19h: Lançamento da Revista Norte-12. Promoção da Arquipélago Editorial.

.

21, quinta, 16h: Histórico e histórias da Independência. Palestra e debate sobre o bairro, promoção da Associação dos Moradores e Amigos do Bairro Independência.

.

23, sábado, 18h30: Pocket-show  com o músico uruguaio Sebastian Jantos. Entrada franca.

Pela primeira vez na capital gaúcha, Sebastián Jantos, cantor e compositor de Montevidéu, Uruguai, mostrará suas composições mais recentes, além das canções do álbum “FUÍ YO”, lançado em 2008 (selo Perro Andaluz). A agenda do músico em Porto Alegre pode ser conferida abaixo*.

A canção é a protagonista no trabalho de Sebastián Jantos. Elas aparecem – em seu CD e nos shows que vem fazendo no Uruguai e na Argentina – rodeadas e sustentadas por um elenco policromático de estilos musicais, onde se fundem com equilíbrio e delicadeza os ritmos do nordeste do Brasil, a milonga, o candombe, o funk e a bossa nova. A isso se somam letras, de conteúdo pictórico e vivencial, que reúnem o cotidiano e o intangível, criando uma agradável e emotiva atmosfera.

Trajetória
Jantos, desde 1996, participa de bandas uruguaias como “La Arca de Noé” e “Cursi”, tendo desenvolvido nelas atividades como cantor, violonista, pianista, acordeonista, percussionista, compositor e arranjador. É a partir de 2002, que passa atuar como cantautor, investindo em sua carreira solo.
Em 2003 e 2004 pesquisou ritmos, folclore e música brasileira participando de oficinas e atuando como músico (em duas passagens que foram determinantes em seu trabalho) na cidade de São Luís do Maranhão (Brasil).
Em 2008, o selo montevideano Perro Andaluz edita o seu primeiro CD,
intitulado FUÍ YO, que conta com produção artística de Diego Drexler e com a colaboração de músicos amigos como Jorge Drexler, Fabián Krut, Federico Graña, Javier Cardellino y Román Varas (Argentina).
Desde então, vem apresentando as canções deste trabalho discográfico junto ao multi-instrumentista Javier Cardellino (Cursi, Snake, Ricardo Lacuan, Daniel Drexler) em palcos uruguaios e argentinos.

.

Uma amostra informal do canto de Sebastián Jantos: a canção Siento por Ciento, num “vídeo caseiro gravado no terminal de ônibus de La Paloma, no departamento de Rocha”, Uruguai.

.

(*) AGENDA DE SEBASTIÁN JANTOS EM PORTO ALEGRE:
20/01, 21h30min, no bar LONG PLAY – convidado do show de Orestes Dorneles e Mário Falcão (Porto Verão Alegre);
23/01, 18h30min, na PALAVRARIA LIVRARIA-CAFÉ;
27/01, 20h30min, no TEATRO DANTE BARONE (AL/RS) – participa de show coletivo (Fórum Social Mundial / 2010);
28/01, 19h30min, no auditório da LIVRARIA CULTURA – convidado especial do show de Mário Falcão.

,

28, quinta, das 14 às 18h30: Workshop Como a cultura contemporânea influencia no processo de criação do mercado da moda, com Carol Walfrid. INSCRIÇÕES ABERTAS.

.

.

Uma reflexão sobre a trajetória da moda e como a cultura contemporânea interage neste processo, a partir da análise de elementos históricos, tais como: a origem da moda, as décadas passadas e a influência dos grandes estilistas. E, ainda, enfoca a pesquisa de referências na cultura contemporânea e da própria moda com a intenção de fomentar o processo criativo.

Investimento: R$ 200,00

.

.

Carol Walfrid – Atua há 17 anos  no mercado da moda no Brasil  e no Exterior. Reside em São Paulo. É Consultora de Estilo e autora do blog http:www.carolwalfrid.wordpress.com. Graduada em Comunicação Social pela ESPM de São Paulo, tem experiência de 11 anos no ramo publicitário nas áreas de Mídia, Atendimento e Planejamento. Em Porto Alegre foi integrante do Grupo de Mídia. É autora de artigos acadêmicos voltado para área temática Consumo e Gênero. De 2008 a 2009 percorreu países como Inglaterra, Portugal, República Tcheca, Alemanha, Bélgica, Israel, Espanha, Holanda e França pesquisando tendências e o mercado da moda.

.

29, sexta, 19h: Lançamento do livro La bufanda del aviador, do poeta uruguaio Atilio Pérez da Cunha (Macunaíma). Bate-papo com o autor enfocando o tema Integração Musical no Cone Sul. Canja musical com Raul Ellwanger. Entrada franca.

.

.

Atílio nasceu em Montevidéu, em 1951. Poeta, jornalista e publicitário, é precursor de uma poesia vinculada ao rock e seus desdobramentos. Seus procedimentos poéticos se decantam e adquirem uma renovadora sobriedade, sem perder a oralidade testemunhal que o caracterizou desde o princípio. Integrante da geração da resistência uruguaia, teve estreita relação com a música popular e com outros poetas, como Victor Cunha, Luis Pereira, Elder Silva, Aldo Mazzuchelli e Rafael Courtoisie, com os quais integrou o grupo Fabla. Sua obra poética publicada compreende: Derrumbado nocturno y desván (Montevideo, Shera´a, 1976), Los caballos perdidos (Montevideo, Granaldea, 1980), Fantasmas en la máquina (Montevideo, Ediciones de Uno, 1986) e La bufanda del aviador (Ediciones de la Banda Oriental, 2008). Um disco, Los caballos perdidos (Montevideo, Sondor, 1982) recolhe poemas e canções do autor, reunindo artistas como Agustín Carlevaro, Leo Masliah, Jorge Lazaroff, Eduardo Darnauchans, Fernando Condon, Fernando Cabrera, Julio Calcagno y Jorge Bonaldi.

La bufanda Del aviador é um périplo intelectual e existencialista por alguns dos referentes culturais mais emblemáticos de toda uma geração. Em sua condição de escritor, músico e intelectual questionador do sistema, as composições poéticas de Atílio não podiam, de nenhum modo, escapar a determinados esquemas. Como criador que se pretende antissistêmico e questionador, Macunaíma não esconde recorrentes menções a alguns artistas desencantados, monstros sagrados como Kerouac, Bob Dylan e Jimmy Hendrix, entre outros. Não faltam também as expressões em inglês, a menção da viagem iniciática pela famosa Rota 66 e demais referências geracionais, que outorgam a esse livro um ar beatnik bastante apreciado pelo autor.

.

.

Raul Ellwanger. Compositor, cantor, letrista, violonista, regente e arranjador, nascido em Porto Alegre, Ellwanger tem dez discos gravados e canções registradas por Elis Regina, León Gieco, Beth Carvalho e Mercedes Sosa. Lançados no Brasil, Argentina e Estados Unidos, esses álbuns contêm parcerias com Paulinho Tapajós, Nelson Coelho de Castro, Ferreira Gullar, Jerônimo Jardim, León Gieco, Pery Souza, Mário Quintana, Cláudio Vera Cruz, Pablo Neruda, Nei Duclós e Vicente Barreto, entre outros. Participou de mostras e festivais em Montevideu e La Paz (Uruguai), Porto Alegre, Santa Rosa, Rio de Janeiro e Uruguaiana (Brasil), Buenos Aires e Paraná (Argentina), Assunção (Paraguai), Varadero (Cuba), Paris (França), Utrecht (Holanda), Santiago do Chile, Frankfurt e Colônia (Alemanha), Lisboa (Portugal) e ainda em recitais de solidariedade democrática em diversos países da América Latina. Compõe canções brasileiras do sul, com influência latinoamericana e temática ecológica, romântica e de protesto.

Discografia de Raul Ellwanger:
Teimoso e vivo (1979) Isaec LP
Raul Ellwanger (Adaptação do LP “Teimoso e vivo) (1981) Bandeirantes Discos LP
Gaudério (1984) Som Livre-RBS (Rio de Janeiro)/Barulhinho (Porto Alegre) LP
Portuñol (1985) Independente/Todas las Voces (Argentina) LP
La cuca del hombre (1986) Abraxas (Buenos Aires)/NS Records (EUA) LP
Luar (1992) Independente (Porto Alegre) LP
Boa maré (2004) Independente/Fumproarte (Porto Alegre) CD
Ouro e Barro (2008) Independente CD
Cabeça, Corpo, Coração – CD – lançamento previsto para abril de 2010

Participação:
Paralelo 30 (1978) Isaec/Unisinos LP
Paralelo 30 nº II (2001) Unisinos CD

07
jan
10

Curso de desinibição textual

Abertas as inscrições para o Curso de Desinibição Textual e Escrita Criativa, Com Lehgau-Z Qarvalho

De 12 a 28 de janeiro de 2010, às terças e às quintas-feiras, das 19 às 21h, na Palavraria

Informações e inscrições na Palavraria: 3268 4260, palavraria@palavraria.com.br
Intensivo de verão

O curso baseia-se principalmente na desconstrução de antigos paradigmas a fim de desbloquear o aluno para uma nova realidade sensorial, de percepção e de assimilação das possibilidades para a criação de novos horizontes em seu universo textual. O intuito é de facilitar e ampliar o prazer da comunicação entre os produtores de textos e seus leitores.
Programa

Saber-se de si; deixar-se fluir; reaprender a olhar
Verter memória em poesia
Mesclar o que se acredita que exista com o que pode existir ou não
Encarar a folha/tela em branco; o papel do papel + a caneta
Escrita orgânica; escrever como um ato coletivo
Variação de ambientes; ser turista na própria casa
Ser afirmativo
Responder as próprias perguntas
Consistência; concisão
O despertar compaixão
O ser e o não ser
As coisas e os nomes das coisas
A escrita e os cafés
Sintaxe
Escrita aos cubos
O tempo em tempo; o tempo ao vento
Quem é quem
A linguagem visual
A vida como ela é, e como ela deixa de ser
Mergulhos e respiros
Ser entendido e por quem
Re-re-reescrever
Publicações
O Ato de ser feliz em palavras

Período
De 12 a 28 de janeiro

Dias 12, 14, 19, 21, 26 e 28 de janeiro de 2010

Horário: das 19 às 21 horas

LOCAL: Palavraria – Vasco da Gama, 165, Bairro Bom Fim, Porto Alegre – RS. Telefone: (51)3268 4260

MINISTRANTE

Lehgau-Z Qarvalho é escritor, jornalista e artista gráfico; autor do livro A Teoria das Sombras (2007 – Oikos Editora); colaborou com diversas publicações como freelancer; ministra cursos na Feevale, em Novo Hamburgo; alimenta treze blogs ao mesmo tempo e escreve um romance a seis mãos com ex-alunos.

INVESTIMENTO

2X de R$ 170,00 | à vista: R$ 300,00

LINKS

Lehgau-Z Qarvalho
www.lehgau-z-cafeclube.blogspot.com
www.spraygraphic.com/lehgauzqarvalho




janeiro 2010
S T Q Q S S D
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Categorias

Blog Stats

  • 759.709 hits
Follow Palavraria – Livros & Cafés on WordPress.com

%d blogueiros gostam disto: