Arquivo para 4 de outubro de 2011

04
out
11

Temporada de estreia Papai Pirou nas Ondas do Rádio, 1 a 16/10, sábados e domingos, 17h, Teatro da AMRIGS. Ingressos à venda na Palavraria.

.

Cia Etceteratral apresenta:

Papai pirou nas ondas do rádio

Direção de Néstor Monasterio

PAPAI PIROU NAS ONDAS DO RÁDIO, do mesmo diretor de Homens de Perto e Inimigas Íntimas, é uma comédia musical leve e dinâmica que divertirá a família toda.

Com um humor despretensioso e surpreendente, PAPAI PIROU é ambientado num programa de rádio que conta a história de uma família da década de 40, que tem sua tediosa rotina transformada quando o seu patriarca leva um choque ao tentar consertar o rádio para ouvir a tradicional novela.  Confuso e atordoado pelo susto, passa a confundir ficção com realidade, encarnando inusitados personagens e enlouquecendo a família inteira que, por orientação médica, não deve contrariar o pai. Em meio a uma grande brincadeira familiar, são cantadas ao vivo as mais famosas marchinhas de carnaval, trazendo o saudosismo de uma época iluminada por ricas figuras de nossa cultura, como a de Carmen Miranda.

Ficha Técnica 

Direção: Néstor Monasterio

Texto: Guto Greco

Arranjos Musicais: Léo Ferlauto e Simone Rasslan

Elenco: Gustavo Razzera, Joana Isabel, Léo Ferlauto, Sofia Schul, Thaís Siegle e William Martins

Cenário: Rodrigo Lopes

Figurinos: Malu Rocha

Coreografias: Jussara Miranda e Sofia Schul

Fotografia: Elisete Linck

Projeto Gráfico: Gustavo Razzera

Divulgação: Joana Isabel e Thaís Siegle

Espetáculo: Papai Pirou nas Ondas do Rádio

Data – 01 a 16 de Outubro (sábados e domingos)

Horário: 17h

Local: Teatro da AMRIGS (Av. Ipiranga, 5311)

Ingressos antecipados: Palavraria Livros & Cafés – Rua Vasco Gama, 165. Fone: 3268-4260

CONTATOS: Joana Isabel – 93784961 – joana@papaipirou.com.br

Thaís Siegle – 81462112 – thais@papaipirou.com.br

www.papaipirou.com.br

Twitter: @papaipirou

Anúncios
04
out
11

Cursos e oficinas na Palavraria: vem aí REDAÇÃO NOTA 10 (Para Concursos, Vestibulares e Enem)

Cursos e Oficinas na Palavraria

.

REDAÇÃO NOTA 10

(Para Concursos, Vestibulares e Enem)

Com Roberto Medina

de 8 de outubro a 26 de novembro de 2011

NA PALAVRARIA

HORÁRIO: Das 16h30min às 18h30min (sábados)

ENCONTROS: 8, 15, 22, 29 (OUTUBRO) e 12, 19 e 26 (NOVEMBRO)

INVESTIMENTO: 2 x de R$ 100,00

PÚBLICO ALVO: estudantes, concursistas, secretárias, universitários e aqueles que necessitam de uma melhor e eficiente comunicação escrita.

NÚMERO DE ALUNOS POR TURMA: De 10 a 15 alunos

INSCRIÇÕES ABERTAS

Informações e inscrições na Palavraria: 51 3268 4260

Rua Vasco da Gama, 165 – Bom Fim – Porto Alegre

De segunda a sábado, das 11 às 21h

 

EMENTA:

– Estrutura argumentativo-dissertativa;

– Coerência e coesão textuais;

– Linguagem e paragrafação;

– Desenvolvimento de temas;

– Revisão gramatical;

– Modelos de redação;

– Produção e avaliação de textos.

MINISTRANTE: Roberto Medina leciona português, inglês e francês em escolas, cursos preparatórios para concursos nacionais e internacionais. Foi professor de projetos literários na UDC – Faculdade Dinâmica Cataratas –, em Foz do Iguaçu. É editor e consultor de textos para editoras e autores independentes e ministra oficinas, cursos e palestras sobre temas literários e culturais em universidades e outras instituições no Rio Grande e no Paraná. Tem contos publicados na antologia 101 que contam e Brevíssimos (org. de Charles Kiefer), e lançou recentemente  o livro de poemas Pedrarias. É autor dos textos dramáticos Você precisa saber (peça teatral escrita para a Cia. Amadeus), Silêncio (peça teatral para o Teatro da Adega, SP), Até que (monólogo para a atriz Cláudia Ribeiro) e  Fernando Palavra (para a Cia G3).

.

.

04
out
11

A crônica de Tiago Cardoso: Aires e Calvero

.

.

Aires e Calvero: dois narradores maduros, por Tiago Cardoso

.

Foto Tiago Cardoso

.

Pensei que seria interessante criar uma aproximação entre a perspectiva de duas narrativas, protagonizadas, uma, pelo diário do conselheiro Aires, imortalizado por Machado de Assis em “Memorial de Aires”; outra, pela figura do comediante Calvero, criada e interpretada por Charlie Chaplin em “Luzes da Ribalta”. O olhar dos citados protagonistas a respeito do tempo da vida, especialmente naquilo que confronta algo como o romantismo da juventude e o ceticismo da maturidade, é o ponto de aproximação que identifiquei entre essas duas obras, e sobre o que, brevemente, farei alguns comentários.

O último romance machadiano apresenta um enredo a que temos acesso a partir do diário de um diplomata aposentado: o conselheiro Aires. Trata-se de um homem de sessenta anos de idade, viúvo, que nos idos do ano de 1888 voltava ao Rio de Janeiro, sua terra natal, para gozar da aposentadoria. Um pouco por conta do acaso e talvez mais por conta das relações de sua irmã, Rita, trava conhecimento com uma linda jovem e atraente viúva, enquanto esta ainda encenava os últimos movimentos do luto. Era Fidélia. Por seu turno, a história do último filme produzido por Chaplin nos Estados Unidos, e que havia sido pensado como a última obra da extensa carreira do cineasta britânico, é ambientada em Londres, igualmente no final do século XIX, e narra o encontro entre o também sexagenário Calvero e a jovem bailarina Thereza (Terry). Temos assim, duas narrativas elaboradas a partir da perspectiva de dois protagonistas homens, que têm por volta de sessenta anos de idade, ambientadas em circunstâncias históricas quase idênticas. No centro dos enredos, vemos contrastadas maturidade e juventude. A maturidade, simbolizada na perspectiva preponderantemente cética a respeito da existência, presente nas personagens do conselheiro Aires e do comediante Calvero. Aquele, um homem que tem em vista exclusivamente a fruição da aposentadoria, depois de anos dedicados à atividade diplomática. Este outro vive um longo ostracismo cênico, por conta do absoluto esquecimento e desinteresse do público e dos produtores em relação às suas performances. Já a juventude está materializada na figura das duas atraentes moças, aparentemente indefesas e inseguras quanto ao futuro: Fidélia, pela viuvez precoce, pela aparente tristeza do luto, e pelo rompimento com a figura paterna; Terry, porque desde muito cedo teve de enfrentar a vida de forma solitária, tendo sido obrigada a abandonar o sonho profissional de ser bailarina por conta de um estranho incidente de paralisia. Não obstante, estas moças pareciam ter, ao contrário daqueles protagonistas, “tudo pela frente”.

Tanto o romance quanto o filme desvelam uma visão benevolente e bondosamente interessada, com a qual os maduros protagonistas (Aires e Calvero) observam os movimentos das duas jovens. Isso não impede, ainda que de maneira velada, que reste insinuada uma fugaz pretensão de envolvimento amoroso entre os dois sexagenários e suas heroínas. A diferença de idade entre os possíveis amantes, no entanto, parece erguer um obstáculo indigno de superação. O que talvez diferencie Aires de Calvero, neste caso, é a constância. Calvero parece mais convicto com relação à sua (im)possibilidade como par romântico de Terry. Por outro lado, como nos adverte John Gledson, durante todo o curso da narrativa, o conselheiro Aires mostra-se “mutável e contraditório”, com relação à natureza da atração que nutre pela viúva. Essas impressões talvez sejam mais perceptíveis em Machado porque ao leitor é franqueado acesso, de forma minuciosa, aos pensamentos do conselheiro. Afinal, lemos seu diário. Já na narrativa fílmica, podemos notar muito rapidamente e de forma indireta aquilo que o inconsciente de Calvero revela, graças à cena em que um sonho do comediante é dramatizado. Talvez seja a única informação, no curso do filme, da qual possamos inferir que Calvero estivesse apaixonado pela jovem bailarina.

A resignação destes dois homens – e no caso de Calvero, abnegação, pois ele mesmo nega as súplicas apaixonadas de Terry que, modernizando os usos, pede-o em casamento –, parece dar a estas duas narrativas um mesmo tom: há que fenecer o velho para que o novo possa florescer. E é curioso notar que tanto Machado quanto Chaplin também experimentavam, à época da realização destas duas obras, a maturidade enquanto homens e enquanto autores. As figuras masculinas de seus protagonistas parecem realizar ora um ato de esforço, ora um ato de fuga, a fim de preservarem um distanciamento que tem por finalidade favorecer os desígnios naturais da vida, segundo os quais a juventude e a renovação devem vicejar.

 

Tiago Cardoso é frequentador da Palavraria, graduado em direito e mestre em filosofia pela UNISINOS.

 

.





outubro 2011
S T Q Q S S D
« set   nov »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

Categorias

Blog Stats

  • 721.899 hits
Follow Palavraria – Livros & Cafés on WordPress.com
Anúncios

%d blogueiros gostam disto: