Arquivo para 8 de dezembro de 2011

08
dez
11

Vai rolar na Palavraria, nesta sexta, 09/12: Lançamento do livro Processos educativos no fazer artesanal de mulheres do Rio Grande do Sul, de Edla Eggert

.

.

09, sexta, 18h: Lançamento do  livro Processos educativos no fazer artesanal de mulheres do Rio Grande do Sul, de Edla Eggert (Ed. EDUNISC).

Produto de uma pesquisa financiada pelo cnpq por meio do edital Gênero, mulheres e feminismo de 2008, este livro constitui-se num estudo a partir da hermenêutica feminista e a educação sobre a criação e a produção do artesanato feito por mulheres no Rio Grande do Sul. São alvo de estudo artesãs do bordado na região de Ivoti, costureiras cooperativadas de Pelotas, produtoras de crochê de grampada de Rio Grande e tecelãs de Alvorada. O livro tem como fio condutor as reflexões alinhavadas com a participação das orientandas de iniciação científica, mestrado e doutorado e também das artesãs.

Da apresentação escrita por Suzana Albornoz:

Na intenção de lançar sobre essa investigação, tão reveladora, uma luz que lhes possa ainda acrescentar algo, não parece demais começar por relembrar o fato de que a arte, no sentido da grande arte que impõe uma distância contemplativa, tem sido, em geral, e por muito tempo, um afazer dos homens, isto é, dos representantes masculinos da espécie humana; e que suas companheiras de destino, as mulheres, temos sido naturalmente mais associadas ao artesanato, sendo assim lícito supor, pelo menos desconfiar que a característica de gênero tenha exercido influência na forma como se estabeleceu essa diferenciação de fronteiras entre arte e artesanato. (Albornoz, 2011, p.7)

Parece evidente, quando se busca, através da aprendizagem do artesanato, descobrir e incentivar a tomada de consciência e a afirmação da identidade de um grupo de mulheres ou de cada mulher nele envolvida, que se está dando por assentadas as diferenças conceituais de uso comum. Porém, penso ser interessante contorná-las, de modo a ver a questão por um prisma menos costumeiro. É, com certeza, a essa re-visão que este livro induz, com o seu múltiplo esforço de observação, acompanhamento e atenção às histórias de vida, certo de que a produção ou criação feminina, pela experiência de aprendizagem e da prática artesanal, significa instrumento útil, de utilidade para a sobrevivência econômica e para a autonomia social, mas também, ao mesmo tempo, constitui-se em expressão, enquanto propicia a afirmação das identidades e concede visibilidade aos sujeitos antes escondidos na sombra do labor sem produto aparente. (Albornoz, 2011, p.8)

.

Edla Eggert, professora na Unisinos, é graduada em Pedagogia pela União das Escolas Unidas do Planalto Catarinense (Uniplac), mestre em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e doutora em Teologia pela Escola Superior de Teologia (EST) de São Leopoldo, com a tese Educa-teologiza-ção: fragmentos de um discurso teológico (mulheres em busca de visibilidade através da narrativa transcriada). É autora de Educação popular e teologia das margens (São Leopoldo: Sinodal, 2003) e de Narrar processos: tramas da violência doméstica e possibilidades para a educação e organizou, em parceria com outros pesquisadores, as obras As Mulheres e a Filosofia, [Re]leituras de Frida Kahlo: por uma ética estética da diversidade machucada e A graça do mundo transforma Deus.


.

.

Anúncios



dezembro 2011
S T Q Q S S D
« nov   jan »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  

Categorias

Blog Stats

  • 717.319 hits
Follow Palavraria – Livros & Cafés on WordPress.com
Anúncios

%d blogueiros gostam disto: