Arquivo para 4 de março de 2012

04
mar
12

A prosa ligeira de Jaime Medeiros Jr.: Das sandices literárias

.

.

Das sandices literárias, por Jaime Medeiros Jr.

.

.

O interessante ao fazer a inspeção das coisas do mundo é quantas vezes acabamos por nos redescobrir. Estas coisas não nos chegam sem perdas. Podemos muitas vezes manusear algum pequeno artefato. Rugosidade, cheiro, cor e outros recortes sensíveis da realidade auferidos pelos sentidos se perdem em meio às palavras da descrição de quem se propõe a nos revelar sua materialidade. Bem, se tivermos agora um objeto um tanto mais taludo, uma mesa, por exemplo, e resolvermos entregá-la a um bom punhado de observadores, para que nos descrevam aquele único objeto, acabaremos por aumentar vertiginosamente o nosso espectro de incongruências. Agora o nosso problema não mais se reduz as incapacidades da linguagem dar conta daquele pedaço de mundo, mas também porque as diferentes experiências frente àquele único real ainda hão de acabar se acotovelando. Que mesa haveremos de escolher? A do pintor de paredes ou a do pintor? Ou, quem sabe, a do marceneiro?

Agora, queremos, isto sim, compreender uma obra literária e não mais um simples artefato material. O nível de incongruências que haveremos de enfrentar certamente há de aumentar. Tomando-a como um mar, poderemos nos servir de um barco para que, singrando-o em sua superfície, possamos reconhecer  o máximo de sua extensão. Também, segundo os nossos recursos, poderemos submergir nas águas, atingindo maior ou menor profundidade conforme acabarmos por utilizar: um submarino, um escafandro, ou simplesmente descermos até onde o nosso fôlego humano aguentar. A obra Platônica, por exemplo: alguns comentadores dirão que, se quisermos entender Platão, Platão basta. Todo o Platão está contido nos diálogos. Já outros comentadores dirão de modo diferente: se quisermos encontrar Platão em sua plenitude, teremos de obrigatoriamente consultar outras fontes também, dentre elas sobretudo Aristóteles [divergências entre as hermenêuticas que se fundam em Schleiermacher ou na escola de Tübingen]. O que nos revela o nível de incongruências que acabamos por ter quando frequentamos a incrível variabilidade de interpretações de uma mesma obra literária.

Bom, como sandice pouca é bobagem, agora fomos acometidos de um tipo especial de doença. Temerariamente resolvemos perscrutar não mais um artefato material, não mais um “artefato” literário, mas sim, o próprio real. Não satisfeitos resolvemos ainda fazer literatura de nossas interpretações. Essa doença se manifesta na eleição de uma cartilha pessoal de interpretação do mundo [e aqui desconfio que no mais das vezes não escolhemos a cartilha, mas, sim, ela se nos impõe]. Somos realistas: acreditamos na supremacia dos instintos sobre o espírito e que invariavelmente deveremos tentar explicar o mundo a partir de suas bases materiais. Ou somos não realistas: poremos nossas fichas em crenças advindas do espírito, procuraremos símbolos e imagens que possam referenciar nosso ideal.

Aqui cabe lembrar como certos tipos de realismo acabam por entender como escapismo tudo que não lhe obedeça a cartilha [lembrar, por exemplo, que certos intérpretes da literatura latino-americana entendem que a literatura de Borges ou de Sábato não podem ser compreendidas como literatura latino-americana]. Este tipo de realismo, quer me parecer, está a sofrer de sua própria esquizofrenia, acreditando que o seu simulacro de real é menos simulacro do que o daquele que foi acometido pela doença da cartilha não realista.

Parece que toda abordagem que fizermos do real sempre há de padecer de um mesmo nó górdio. Quem observa não está apartado do mundo. Ele também é realidade. Alfred Tarski propõe como solução do problema do cretense [um cretense em Tebas diz: todo cretense é mentiroso] que se quisermos banir de nossa linguagem todas essas cobras que mordem o seu próprio rabo, deveremos construir para nossa linguagem-objeto uma metalinguagem, onde deveremos colocar todas as regras de ordenação da linguagem-objeto. Analogamente poderíamos dizer que não somos esta metalinguagem para a linguagem-objeto mundo, mas, isto sim, estamos inseridos no mundo. Ou dito ainda de outro modo, sempre há de nos faltar o ponto de apoio para alavancarmos o mundo. Portanto se há algum escapismo a que devamos temer não é o não nos vincularmos a uma interpretação realista do mundo, mas sim o não nos mantermos coerentes com nossa própria sensibilidade.

.

Jaime Medeiros Jr. é poeta portoalegrense (1964), pediatra. Autor do livro de poemas Na ante-sala. Mantém os blogs Tênues Considerações e O Arco da Lira

.

.

.

.

04
mar
12

Programação de 05 a 10 de março de 2012

program sem

.

09, sexta, 19h: 100 anos dos Contos Gauchescos, bate-papo sobre vida e obra de Simões Lopes Neto, com Hilda Simões Lopes, Donaldo Schuller e José Antônio Mazza Leite.

.

Capa da 1ª edição

.

09 de março é aniversário de nascimento de João Simões Lopes Neto. Em 2012 comemora-se os 100 anos de lançamento dos Contos Gauchescos. No evento na Palararia, Donaldo Schuller abordará a literatura simoneana; José Antônio Mazza Leite falará sobre os contos que enfocam personagens, cenas, batalhas das revoluções gaúchas e a importância dos mesmos para o conhecimento das revoluções riograndenses, e Hilda Simões Lopes  abordará a vida do escritor.

Hilda Simões Lopes Costa. Bacharel em Direito, mestre em Sociologia pela Universidade de Brasília e professora universitária aposentada pela Universidade Federal de Pelotas. Publicou os livros de ensaios sociológicos Do Abandono À DelinqüênciaSenhoras e Senhoritas, Gatas e Gatinhas, e mais A Superfície das Águas, prêmio Açorianos de Literatura, 1998 pelo Instituto Estadual do Livro; Cuba, Casa de Boleros, conjunto de crônicas,  finalista prêmio açorianos, pela AGE; Um Silêncio Azul, AGE; o romance A Anatomia de Amanda, pela editora Juruá, de Curitiba e  o livro didático Manual de Criação Literária, pela Baraúna, São Paulo.

 

Donaldo Schüler. É autor de mais de três dezenas de livros nas áreas da ficção, ficção infanto-juvenil, poesia e ensaio. Traduziu do grego Antígona, Édipo em Colono, Sete Contra Tebas e a Odisséia. Sua tradução de Finnegans Wake, de James Joyce, foi premiada pela Associação Paulista de Críticos Literários e com o Jabuti da Câmara Brasileira do Livro.

 

José Antônio Mazza Leite, historiador, é Diretor do Museu do Charque, em Pelotas. É autor dos livros Colônia do Sacramento (Memorial do Rio Grande do Sul, 2009) e Xarqueadas de Danúbio Gonçalves: um resgate para a história (Porto Alegre, 2011)

.

.

.

10, sábado, das 14 às 17h30: Leitura de poemas de Carlos Drummond de Andrade. Promoção da Editora Cia. das Letras.

Os livros do poeta Carlos Drummond de Andrade passarão a ser editados pela Companhia das Letras a partir de 2012, ano que marca os 25 anos da morte do poeta. Para marcar a data, a Companhia promove nacionalmente, na tarde de sábado, 10, leituras da obra drummondiana com ator especialmente convidado. Em Porto Alegre, o evento será realizado na Palavraria.

Carlos Drummond de Andrade tem mais de 60 livros  - Divulgação

Carlos Drummond de Andrade nasceu em Itabira (MG), em 1902. Um dos mais importantes poetas brasileiros de todos os tempos e um dos grandes nomes da poesia do século XX em qualquer idioma, estreou na literatura em 1930, com os versos de Alguma poesia, e nos cinquenta anos seguintes publicou diversas obras fundamentais em verso e prosa, como Sentimento do mundo, A rosa do povo, Contos de aprendiz e muitos outros. Consagrado, estudado e admirado por leitores de todas as idades, Drummond morreu no Rio de Janeiro em 1987, aos 84 anos.

.

.

10, sábado, 18h: Voyage, atentte, leitura bilingue dos poemas de Paulo Neves. Encontro do poeta e tradutor Paulo Neves com a tradutora do livro Viagem, espera, Nicole Pegeron e a participação musical de Dudu Sperb.

.

.

Paulo Neves nasceu e vive atualmente em Porto Alegre. Morou durante vários anos em São Paulo, onde trabalhou como jornalista. Em 1985 publicou o pequeno ensaio Mixagem, o ouvido musical do Brasil (Editora Max Limonad). É reconhecido pela versão de textos difíceis em áreas como Filosofia, História e Psicanálise. Na sua lista de traduções para o português, constam títulos como Saudades do Brasil, de Claude Lévi-Strauss, ou a biografia de Jacques Lacan por Elisabeth Roudinesco. Também são conhecidas suas versões para clássicos da literatura, como O Vermelho e o Negro, de Stendhal, e A Mulher de Trinta Anos, de Balzac, ou textos mais recentes, como O Convidado Surpresa, de Grégoire Bouillier, e o recentemente festejado Os Homens que Não Amavam as Mulheres, de Stieg Larsson. É também parceiro de José Miguel Wisnik em canções como Pérolas aos Poucos, Pesar do Mundo e Saudade da Saudade. Em 2006, lançou Viagem, espera (Companhia das Letras, 128 páginas, R$ 32), reunião de 40 poemas e 32 crônicas curtas.

[Veja entrevista com Paulo Neves.]

.

.


 

 




março 2012
S T Q Q S S D
« fev   abr »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  

Categorias

Blog Stats

  • 731.458 hits

Top Clicks

  • Nenhum
Follow Palavraria – Livros & Cafés on WordPress.com

%d blogueiros gostam disto: