Arquivo para 30 de julho de 2012

30
jul
12

Vai rolar na Palavraria, nesta quinta, 02/08: Lançamento do livro Cair de costas, poemas de Ronald Augusto

program sem

.

02, quinta, 18h: Lançamento do livro Cair de costas, poemas de Ronald Augusto. Pocket musical com Marcelo Delacroix, Álvaro RosaCosta e Simone Rasslan.

.

.

Reunião de 5 obras comemora quase 30 anos de atividade poética

Sob o título Cair de costas o poeta, músico e ensaísta Ronald Augusto reúne parte de sua produção poética, aquela correspondente aos seus primeiros passos e cujos livros se encontravam esgotados há cerca de dez anos.

Ao mesmo tempo, esse lançamento comemora quase trinta anos de atividade poética e literária (que se inicia com “Homem ao rubro”, 1983). O autor reúne cinco livros que tiveram há época tiragens reduzidíssimas, quase artesanais (o de maior tiragem teve 300 exemplares), dois deles ainda feitos em tipografias de “fundo de quintal”. Tal antologia vem preencher, portanto, uma lacuna de pesquisa bibliográfica e de fruição estética relativas a um percurso textual que ao longo das últimas décadas tem sido objeto de interesse tanto de escritores, críticos e professores universitários do Brasil e do exterior, quanto de jovens poetas e leitores interessados em aprofundar seu conhecimento na linguagem de Ronald Augusto.

.

A reunião embora parcial de uma obra poética ainda em movimento e de elevada qualidade literária, reconhecida tanto em âmbito nacional como dentro de uma perspectiva sul-riograndense, e que nos reserva constantes surpresas, serve também para estabelecer comparativos estéticos com os experimentos mais recentes de linguagem levados a efeito por Ronald Augusto. Cair de costas apresenta ainda, de modo inédito, uma amostra de poemas caligráficos-visuais do autor, até agora desconhecidos do grande público.

O lançamento na Palavraria será animado por um pocket com os músicos  Marcelo Delacroix, Alvaro RosaCosta e Simone Rasslan, que apresentarão músicas compostas sobre letras de Ronald.

.

.

Anúncios
30
jul
12

A crônica de Emir Ross: Praça Shiga

.

.

Praça Shiga, por Emir Ross

.

.

Mario Quintana morreu triste. Havia ruas de Porto Alegre pelas quais jamais tinha andado. Ele não era um grande caminhante. Preferia as mesas dos cafés e os cigarros. Mas era um grande apaixonado. Talvez por isso tenha morrido triste.

Eu consigo ser ainda mais triste que Quintana. Primeiro porque não escrevo como ele escrevia. Depois, porque não conheço metade das ruas de Porto Alegre pelas quais ele pisou.

Os engarrafamentos dos anos dois mil têm responsabilidade por uma parcela de minha tristeza. Meu bundamolismo se encarrega da outra. De todo o tempo que perco na vida, não há tempo pior gasto que o a não conhecer as ruas de Porto Alegre.

Não conheço as ruas do IAPI. Não conheço a rua que leva a Itapuã. Não conheço a Rua 24 horas de madrugada. Nunca pisei na Rua Esplanada.

Isso é assustador. Enquanto desfilo a caneta por essas linhas, perco passos. Mario Quintana certamente estaria soprando em meus ouvidos se não tivesse coisas mais importantes para fazer.

Causaria-lhe genuína aflição ver-me a não caminhar por paralelepípedos, lajotas ou caminhos de chão batido.

Uma das causas dessa displicência deve ser meu desapego para comigo mesmo. Sou desprovido de amor-próprio. Por isso envelheço sem fazer o que mais gosto: ler Quintana enquanto tomo um expresso no Café Santo de Casa.

Leio-o no sofá da sala. Ao invés do Guaíba, admiro a parede roxa.

Quintana era porto-alegrense roxo. Embora não tenha nascido aqui. Também não nasci aqui. Talvez esse seja o motivo da minha cor bege. Ou talvez eu tenha essa aparência por minha falta de paixão. Ou minha falta de idade. Quintana tinha a idade do mundo. O suficiente para ser pai de qualquer rua dessa cidade.

Filhas pródigas, algumas.

Temporãs, outras.

Órfãs, todas.

Quando o relógio avisa que são dezoito horas, geralmente faz calor na Praça Shiga. Dou-me conta de que desperdicei algumas linhas durante o dia. Fico um pouco menos triste. Não conheci novas ruas. Mas convivi com a praça. É sempre assim. Essa praça se renova a cada sol. Por isso, volto todas as tardes, para conhecê-la. Às dezoito horas, o zelador precisa fechar as portas.

Nessa hora, a cidade muda. Dou boas-vidas ao engarrafamento e à minha parede roxa. Mario Quintana morreu triste. Havia ruas de Porto Alegre pelas quais jamais tinha caminhado.

Eu consigo ser ainda mais triste. Amanhã passarei a tarde na Praça Shiga.

.

Emir Ross é publicitário e escritor e mora em Porto Alegre. Tem participação em 9 antologias de contos e recebeu mais de 20 prêmios literários. Entre eles, o Felippe d’Oliveira em Santa Maria (3 vezes), o Escriba de Piracicaba (2 vezes), o Luiz Vilela de Minas Gerais (2 vezes), o José Cândido de Carvalho do Rio de Janeiro (2 vezes), o Prêmio Araçatuba, entre outros. Escreve no blog milkyway.

.

Emir Ross publica quinzenalmente neste blog.

.

.




julho 2012
S T Q Q S S D
« jun   ago »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

Categorias

Blog Stats

  • 726.311 hits
Follow Palavraria – Livros & Cafés on WordPress.com
Anúncios

%d blogueiros gostam disto: