31
out
12

A crônica de Guto Piccinini: Sobre a morte (1)

.

.

Sobre a morte I, por Guto Piccinini

.

 

A morte é sempre uma experiência traumática. Configura um acontecimento de proporções que extrapolam as palavras e ao possível de ser simbolizado. Não podemos tomar a morte apenas como um corpo que tomba, uma vez que este corpo é permeado por uma sequência de discursos, uma linha que costura nossa existência (e como a vamos concebendo) e a todos a sua volta. Enlace “místico”, recheado de desejo e suposições. A morte, pois, reconfigura de modo trágico esta linha simbólica em que nos enlaçamos, e cujas consequências apenas compreendemos um tempo após o acontecimento em si. Denominamos “luto” esta passagem, este movimento de ir e vir compondo novas redes simbólicas sobre esta existência, ou talvez possamos denominar esta nova fase como uma “não-existência”. Existência ausente, como uma fantasia bem elaborada e que compõe novos sentidos, novas histórias. Ao passo que algo sempre permanece, algo sempre nos escapa.

Falar sobre a morte requer também que deslizemos do privado ao público, oscilando entre estes campos encontros possíveis. No primeiro caso, uma vida que esvai carrega consigo um mundo, uma história. São olhares que se perdem no tempo. Como colocamos acima, não há palavra que signifique o que é perder alguém querido, alguém que nos faça sentido. Literalmente perde-se algum sentido (simbólico e afetivo). Já no segundo caso, a relação se distingue exponencialmente: enquanto o acontecimento em si enlaça um corpo a seu destino traçado e incontornável, a ordem discursiva carrega como um furacão os sentidos sentidos. Argumenta-se que a ossada de um rei de nada se distingue de seu súdito mais miserável. Em vida, no entanto, há vidas mais matáveis do que outras. Isto, ao menos, é aquilo que legitimamos.

Sem dúvida, existem muitos modos de se encarar a morte. Um, que me guarda grande estima, carrega consigo uma desvinculação entre a noção de “vida” com um traço “biológico”. Um corpo, por esta via, será apenas um dos modos pelo qual a existência marca sua passagem. A vida enquanto corpo tem como um único direcionamento o existir, “independente da qualidade desta existência”. Não seria esta uma possibilidade de considerarmos a morte uma potência de vida? Não seria esta uma forma de nos debatermos com a vida sem potência? Michel Foucault é um autor marcado por seus estudos sobre o “poder”. Ao contrário da concepção mais corrente, do poder enquanto uma substância que as pessoas detém, marca o poder enquanto uma relação. É no entre-meio que as relações de poder se efetuam. Sai do “poder-forma”, e afirma um “poder-força”. No transcorrer de seus estudos, demarca a passagem de um poder da Soberania, no qual um rei detém o poder sobre a morte de seus súditos, para um poder Disciplinar, onde a relação de poder exerce sobre as vidas. Deste modo, o poder não mais se exerce marcado pelo “deixe viver, faz-se morrer”, articulando um “deixe morrer, faz-se viver”. Imprecisão esquemática, mas operativa quanto as formas: a vida passa a ser um ato político, enquanto a morte, um ato de resistência.

.

Guto Piccinini, psicólogo, mestre em psicologia social e frequentador da Palavraria. Atualmente experimentando palavras.

.

.

Anúncios

0 Responses to “A crônica de Guto Piccinini: Sobre a morte (1)”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


outubro 2012
S T Q Q S S D
« set   nov »
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  

Categorias

Blog Stats

  • 708.872 hits
Follow Palavraria – Livros & Cafés on WordPress.com
Anúncios

%d blogueiros gostam disto: