Posts Tagged ‘Daniel Pellizzari

27
jul
13

Aconteceu na Palavraria, nesta sexta, 26: Lançamento do livro Digam a Satã que o recado foi entendido, de Daniel Pellizzari

.

aconteceu

.

Fotos do Lançamento do livro Digam a Satã que o recado foi entendido, de Daniel Pellizzari.

.

daniel pellizzari 01.

daniel pellizzari 02daniel pellizzari 03 daniel pellizzari 04 daniel pellizzari 05.

.

.

.

.

.

daniel pellizzari 06 daniel pellizzari 07 daniel pellizzari 08 daniel pellizzari 09.

.

.

.

.

.

daniel pellizzari 10 daniel pellizzari 11 daniel pellizzari 12 daniel pellizzari 13 daniel pellizzari 14.

.

.

.

.

.

.

.

 

.

Palavraria - livros c.

 

Anúncios
24
jul
13

Vai rolar na Palavraria, nesta sexta, 26, lançamento do livro Digam a Satã que o recado foi entendido, de Daniel Pellizzari

program sem

.

 

26, sexta, 19h: Lançamento do livro Digam a Satã que o recado foi entendido, de Daniel Pellizzari (Cia. das Letras)

.

capa digam a satãDifícil dizer o motivo que levou Magnus Factor a prolongar sua curta estadia em Dublin, Irlanda, para uma residência fixa e negócio próprio na capital mundial da cerveja escura e da briga de rua. Fácil é precisar o momento embaraçoso em que tudo aquilo havia acontecido. Um milk-shake e duas palavras erradas de uma eslava, às vezes é tudo que basta para o sujeito ficar onde está. Numa encruzilhada de turistas e imigrantes, Magnus abre uma agência de passeios por locais mal-assombrados de Dublin, todos inventados por ele. Seus sócios vêm da Polônia e das ilhas Maurício, e mesmo o único irlandês do grupo, contratado para dar autenticidade à iniciativa, se diz nascido na “República de Cork”. É o pretexto para Daniel Pellizzari, de volta à ficção após oito anos, criar em torno de Magnus um espiral de loucura e desespero que vai envolver terrorismo poético, cultos obscuros, traficantes gregos, um antigo deus cobra irlandês e um pouco do velho e bom amor itinerante. Em Digam a Satã que o recado foi entendido, Pellizzari dá voz aos profetas e perdedores de Dublin, captando com humor e empatia seus discursos ora atropelados, ora ternos, em meio a sequestros de tesouros nacionais, virgens suicidas, videogames e o eventual assassinato. Narrados numa prosa que lembra Irvine Welsh, Junot Díaz e Roberto Bolaño, os encontros improváveis desses idiotas extraordinários conduzirão o leitor rumo à inevitável conclusão de que, como diz a placa no pub favorito de Magnus, HOJE É O AMANHÃ QUE ONTEM NOS PREOCUPAVA, E TUDO VAI BEM. Isso e um milk-shake. Às vezes é tudo que o cara precisa.

daniel pellizzariDaniel Pellizzari Nasceu em Manaus, em 1974, e é escritor, tradutor e editor. Em Porto Alegre, fundou com os amigos Daniel Galera e Guilherme Pilla a Livros do Mal, editora por onde publicou seus primeiros volumes de contos,Ovelhas que voam se perdem no céu (2001) eO livro das cousas que acontecem (2002). Publicou também o romance Dedo negro com unha (DBA, 2005). Traduziu obras de autores como William Burroughs, David Mitchell e David Foster Wallace. Em 2012, lançou em seu site a antologia Melhor seria nunca ter existido (Livros do Mal 2.0). Atualmente, mora em São Paulo.

Site: cabrapreta.org
Twiter: @cabrapreta
Facebook: facebook.com/cabrapreta

.

.

 

22
jul
10

Palavraria indica: livro Dedo negro com unha, de Daniel Pellizzari

.


04

Dedo negro com unha, livro de Daniel Pellizzari.
À venda na Palavraria – R$ 30,00

Reserve seu exemplar – palavraria@palavraria.com.br, 3268 4260
ou venha até a loja: Rua Vasco da Gama, 165 – Bom Fim

.



.

Um dedo negro com unha é encontrado na pedreira do vilarejo de Baixo do Ribas. O que teria ocorrido ao ex-proprietário do anular decepado? E o que acontecerá a Evita, Lili e Adinho os desafortunados garotos que o acharam? De fato, para descobrir aonde nos levará esta intrigante farsa engendrada por Daniel Pellizzari, a única solução é seguir o destino apontado pelo dedo. E que circunvoluções e torções no pescoço da narrativa (e, em conseqüência, do leitor) pode aprontar um mero dedo negro com unha?


Daniel Pellizzari
(Manaus, 1974).  Escritor, tradutor e editor radicado em Porto Alegre.  Começou a publicar seus textos em antologias, no início da década de 1990. A partir de 1995 valeu-se da liberação do acesso comercial à Internet no Brasil para publicar seus trabalhos online, tornando-se, assim, precursor brasileiro no uso da rede como vitrina e laboratório literário. Durante o ano de 1996, estudou Criação Literária com Luiz Antonio de Assis Brasil. Entre 1998 e 2001 fez parte do staff do hoje extinto fanzine digital CardosOnline, publicação que se tornou famosa na época (provavelmente a publicação eletrônica independente de maior tiragem do Brasil até então) pelo amplo apelo de seu conteúdo, fato que alçou Pellizzari a um público cada vez maior e menos segmentado. Em 2001, fundou a editora Livros do Mal, em parceria com Daniel Galera e Guilherme Pilla, também ex-colunistas do CardosOnline, pela qual lançou no mesmo ano Ovelhas que Voam se Perdem no Céu, e, em 2002, O Livro das Cousas que Acontecem, ambos volumes de conto. Por sua editora, lançou autores como Daniel Galera, Joca Reiners Terron, Paulo LScott e Marcelo Benvenutti. Seu primeiro romance foi lançado em 2005: Dedo Negro Com Unha, uma auto-intitulada “farsa épica contendo as mais abstrusas, discutíveis, taumatúrgicas e desopilantes desventuras ocorridas desde o início dos tempos até os atribulados dias pentadiluvianos”. Como tradutor, já verteu para o português brasileiro obras de William S. Burroughs, Irvine Welsh, Hunter S. Thompson e Neil Gaiman, entre outros.

Dedo negro com unha, de Daniel Pellizzari. DBA Artes Gráficas, 2005. R$ 30,00

09
dez
09

Aconteceu na palavraria – bate-papo de Scott, Carpinejar, Carlos André e Pellizzari

Uma boa parte da novíssima geração de escritores do Rio Grande do Sul esteve representada num festivo encontro realizado segunda, 07, na Palavraria. Utilizando-se como pretexto a visita de Paulo Scott à cidade – que agora mora no Rio de Janeiro – Fernando Ramos, do Vaia, conseguiu reunir na livraria um timaço de escritores. Além dos escalados para conduzir o papo – Scott, Carpinejar, Carlos André e Pellizzari, marcaram presença na platéia Cardoso, Antônio Xerxeneski, Rodrigo Rosp, Bernardo Moraes, Marcelo Noah, Everton Behenk, Samir Machado de Machado, Alexandre Rodrigues… Para além do tema – irreverentemente discutido pelos presentes, o encontro caracterizou uma grande confraternização. As fotos registram o evento.

.

.

.

.

.

.

.

.

.




outubro 2019
S T Q Q S S D
« out    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

Categorias

Blog Stats

  • 726.830 hits
Follow Palavraria – Livros & Cafés on WordPress.com
Anúncios

%d blogueiros gostam disto: