Posts Tagged ‘Digam a Satã que o recado foi entendido

27
jul
13

Aconteceu na Palavraria, nesta sexta, 26: Lançamento do livro Digam a Satã que o recado foi entendido, de Daniel Pellizzari

.

aconteceu

.

Fotos do Lançamento do livro Digam a Satã que o recado foi entendido, de Daniel Pellizzari.

.

daniel pellizzari 01.

daniel pellizzari 02daniel pellizzari 03 daniel pellizzari 04 daniel pellizzari 05.

.

.

.

.

.

daniel pellizzari 06 daniel pellizzari 07 daniel pellizzari 08 daniel pellizzari 09.

.

.

.

.

.

daniel pellizzari 10 daniel pellizzari 11 daniel pellizzari 12 daniel pellizzari 13 daniel pellizzari 14.

.

.

.

.

.

.

.

 

.

Palavraria - livros c.

 

Anúncios
24
jul
13

Vai rolar na Palavraria, nesta sexta, 26, lançamento do livro Digam a Satã que o recado foi entendido, de Daniel Pellizzari

program sem

.

 

26, sexta, 19h: Lançamento do livro Digam a Satã que o recado foi entendido, de Daniel Pellizzari (Cia. das Letras)

.

capa digam a satãDifícil dizer o motivo que levou Magnus Factor a prolongar sua curta estadia em Dublin, Irlanda, para uma residência fixa e negócio próprio na capital mundial da cerveja escura e da briga de rua. Fácil é precisar o momento embaraçoso em que tudo aquilo havia acontecido. Um milk-shake e duas palavras erradas de uma eslava, às vezes é tudo que basta para o sujeito ficar onde está. Numa encruzilhada de turistas e imigrantes, Magnus abre uma agência de passeios por locais mal-assombrados de Dublin, todos inventados por ele. Seus sócios vêm da Polônia e das ilhas Maurício, e mesmo o único irlandês do grupo, contratado para dar autenticidade à iniciativa, se diz nascido na “República de Cork”. É o pretexto para Daniel Pellizzari, de volta à ficção após oito anos, criar em torno de Magnus um espiral de loucura e desespero que vai envolver terrorismo poético, cultos obscuros, traficantes gregos, um antigo deus cobra irlandês e um pouco do velho e bom amor itinerante. Em Digam a Satã que o recado foi entendido, Pellizzari dá voz aos profetas e perdedores de Dublin, captando com humor e empatia seus discursos ora atropelados, ora ternos, em meio a sequestros de tesouros nacionais, virgens suicidas, videogames e o eventual assassinato. Narrados numa prosa que lembra Irvine Welsh, Junot Díaz e Roberto Bolaño, os encontros improváveis desses idiotas extraordinários conduzirão o leitor rumo à inevitável conclusão de que, como diz a placa no pub favorito de Magnus, HOJE É O AMANHÃ QUE ONTEM NOS PREOCUPAVA, E TUDO VAI BEM. Isso e um milk-shake. Às vezes é tudo que o cara precisa.

daniel pellizzariDaniel Pellizzari Nasceu em Manaus, em 1974, e é escritor, tradutor e editor. Em Porto Alegre, fundou com os amigos Daniel Galera e Guilherme Pilla a Livros do Mal, editora por onde publicou seus primeiros volumes de contos,Ovelhas que voam se perdem no céu (2001) eO livro das cousas que acontecem (2002). Publicou também o romance Dedo negro com unha (DBA, 2005). Traduziu obras de autores como William Burroughs, David Mitchell e David Foster Wallace. Em 2012, lançou em seu site a antologia Melhor seria nunca ter existido (Livros do Mal 2.0). Atualmente, mora em São Paulo.

Site: cabrapreta.org
Twiter: @cabrapreta
Facebook: facebook.com/cabrapreta

.

.

 




julho 2019
S T Q Q S S D
« out    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  

Categorias

Blog Stats

  • 713.773 hits
Follow Palavraria – Livros & Cafés on WordPress.com
Anúncios

%d blogueiros gostam disto: