Posts Tagged ‘educação

28
set
14

Vai rolar na Palavraria, nesta terça, 30, Lançamento do livro Caminhos em educação e espiritualidade na Universidade, de Leda Lísia Franciosi Portal e Everton Zambon (organizadores)

ESTA SEMANA NA PALAVRARIA b.

.

30, terça, 19h: Lançamento do livro Caminhos em educação e espiritualidade na Universidade, de Leda Lísia Franciosi Portal e Everton Zambon (organizadores) (Redes Editora)

 

Capa Educação e EspiritualidadeO livro socializa as experiências vividas pelos autores em disciplinas cursadas no Programa de Pós-Graduação em Educação da PUCRS como testemunhos da construção de espaços de Ciência e Espiritualidade no âmbito dessa Universidade. Os autores esperam que suas reflexões possam contribuir e incentivar a construção de outros espaços, em universidades, para estudos e pesquisas alicerçados na inseparabilidade de Ciência e Espiritualidade, iluminando a formação de educadores numa nova perspectiva de Educação.

Leda LísiaLeda Lísia Franciosi Portal é Graduada em Letras, Mestre e Doutora em Educação pela PUCRS. Desde 1980 é professora titular da Faculdade de Educação (FACED) desta Universidade, com docência e pesquisa na graduação e no Programa de Pós-graduação em Educação. Integra a linha de pesquisa Pessoa e Educação tendo como foco de sua investigação: Formação do Ser Professor, enfatizando as temáticas: espiritualidade, inteireza, inteligência espiritual e educação continuada, com várias publicações na área.

Everton Zambon é Graduado em Psicologia, Mestre e Doutor em Educação pela PUCRS. Atualmente é consultor na área de Recursos Humanos, atuando nos subsistemas de Capacitação e Desenvolvimento de Competências e Coaching. Tem experiência na docência e administração do ensino superior em funções de direção e docência na graduação e pós-graduação.

.

Palavraria - livros a.

.

 

.

28
set
14

Programação de 29 de setembro a 4 de outubro de 2014

ESTA SEMANA NA PALAVRARIA b.

De 29 de setembro a 4 de outubro de 2014

.

30, terça, 19h: Lançamento do livro Caminhos em educação e espiritualidade na Universidade, de Leda Lísia Franciosi Portal e Everton Zambon (organizadores) (Redes Editora)

 

Capa Educação e EspiritualidadeO livro socializa as experiências vividas pelos autores em disciplinas cursadas no Programa de Pós-Graduação em Educação da PUCRS como testemunhos da construção de espaços de Ciência e Espiritualidade no âmbito dessa Universidade. Os autores esperam que suas reflexões possam contribuir e incentivar a construção de outros espaços, em universidades, para estudos e pesquisas alicerçados na inseparabilidade de Ciência e Espiritualidade, iluminando a formação de educadores numa nova perspectiva de Educação.

Leda LísiaLeda Lísia Franciosi Portal é Graduada em Letras, Mestre e Doutora em Educação pela PUCRS. Desde 1980 é professora titular da Faculdade de Educação (FACED) desta Universidade, com docência e pesquisa na graduação e no Programa de Pós-graduação em Educação. Integra a linha de pesquisa Pessoa e Educação tendo como foco de sua investigação: Formação do Ser Professor, enfatizando as temáticas: espiritualidade, inteireza, inteligência espiritual e educação continuada, com várias publicações na área.

Everton Zambon é Graduado em Psicologia, Mestre e Doutor em Educação pela PUCRS. Atualmente é consultor na área de Recursos Humanos, atuando nos subsistemas de Capacitação e Desenvolvimento de Competências e Coaching. Tem experiência na docência e administração do ensino superior em funções de direção e docência na graduação e pós-graduação.

.

Palavraria - livros a.

.

1º, quarta, 19h: Lançamento do livro Tempo e Trabalho – Gestão, produção e experiência do tempo no teletrabalho, de Daniela Alves. Bate-papo da autora com a professora Sônia Guimarães (Editora Escritos)

tempo e trabalhoO livro apresenta uma densa reflexão sobre o tempo como categoria filosófica e sociológica, também sobre tempo, trabalho e teletrabalho.

 

Daniela Alves é atualmente professora da Universidade Federal de Viçosa (MG).

.

Palavraria - livros a.

.

3, sexta, 19h: Para assassinar a literatura – evento de lançamento dos livros Ventonaveia, de Mario Pirata; A ninfa dragão, de Júlio Zanotta; e The quick brown fox jumps over the lazy dog (a veloz raposa castanha salta por cima do cachorro lerdo), de Jorge Rein (Scriptorium de investigação para o assassinato da literatura)

 

para assassinar a literatura - cartaz

O evento “Para assassinar a literatura” marca o lançamento do selo Scriptorium de investigação para o assassinato da literatura.

Ventonaveia, de Mario Pirata; A ninfa dragão, de Júlio Zanotta; e The quick brown fox jumps over the lazy dog (a veloz raposa castanha salta por cima do cachorro lerdo), de Jorge Rein, são diferentes na concepção, no gênero, no estilo e na intenção. Mas as três obras, que serão lançadas pelo novíssimo e debochado selo Scriptorium de Investigação para o Assassinato da Literatura, têm em comum o trânsito pelos territórios marginais da escrita, distantes dos cânones, das academias e das bulas literárias.

Jorge Rein nasceu em Montevidéu e reside em Porto Alegre desde 1971. É contista, dramaturgo e tradutor. Em 1986 publicou pela editora Tchê! sua primeira experiência em língua portuguesa, o livro-objeto “&”, ilustrado pela gravadora Anico Herskovits. Quase trinta anos mais tarde, a mesma parceria foi retomada, ainda que com os papéis trocados, em outro livro-objeto, Cidade Imaginária, obra na qual os textos de Rein ilustram as gravuras de Anico. Teve contos publicados em diversas coletâneas, antologias e revistas literárias do Brasil, Uruguai e México. Nos últimos anos, mesmo não tendo abandonado o conto e cometendo esporadicamente algum poema, vem se dedicando preferencialmente à dramaturgia, modalidade na qual já conquistou premiações em concursos no Brasil (IBAC / FUNARTE), Venezuela (ITI-UNESCO) e Uruguai (EL GALPÓN).

Júlio Zanotta é escritor e dramaturgo. Autor de “Louco” (Ed. Ao Pé da Letra), “Teatro Lixo” (Ed. Mercado Aberto), “Milkshakespeare” (Premio Funarte de Dramaturgia) e “O Apocalipse Segundo Santo Ernesto de la Higuera” (Ed. Palmarinca). Uma versão para teatro de A Ninfa Dragão, dirigida por João de Ricardo, foi apresentada na Semana Zanotta, que, em agosto de 2013, apresentou nove noites de leituras de seus textos dramáticos inéditos. Os textos foram dirigidos por diretores da cena porto-alegrense, numa promoção da Coordenação de Artes Cênicas da Prefeitura de Porto Alegre. Estão sendo desenvolvidas três outras versões de A Ninfa Dragão. Para quadrinhos, para animação e para game.

Mario Pirata retorna à poesia para adultos com esta obra, depois de publicar para crianças e jovens durante alguns anos. Ventonaveia é o seu 4º livro para adultos e o 17º de sua bibliografia. Iniciou sua carreira literária nos anos 70, integrando a chamada “geração mimeógrafo”. É presença constante em saraus e encontros de poesia. Ministra oficinas voltadas para o desenvolvimento da linguagem poética. Seus poemas foram publicados em coletâneas e antologias. Entre suas principais obras estão: “Calcinha Rosa na Cadeira de Balanço” (ed. Tchê), “Cambalhota” (Col. Petit Poa), “Bicho-Poesia” (Ed. Paulinas) e “A Magia do Brincadeiro” ( ed. Mercado Aberto).

Sobre as obras:

The quick brown fox jumps over the lazy dog (a veloz raposa castanha salta por cima do cachorro lerdo) é uma espécie de fábula amoral (não imoral). Trata-se de uma narrativa segmentada, que não se submete a um padrão tradicional de linearidade. Seus capítulos podem ser comparados às peças embaralhadas de um mosaico. É na interação com o leitor que os fragmentos se encaixam e se revela um desenho final, talvez nem sempre o mesmo, porque qualquer leitura é uma nova escrita e toda escrita é uma experiência individual. O título escolhido, além de ser uma referência direta à trama, aproveita aquele que é, provavelmente, o mais conhecido dos pangramas (frases que utilizam a totalidade das letras do alfabeto). Não há história que não possa ser contada através de uma combinação dos elementos do pangrama.

A Ninfa Dragão, ilustrado por Pena Cabreira, é uma novela de metaficçãocientífica, alegoria de um futuro fantástico visto com ironia. A linguagem utiliza expressões científicas sem levar em conta, necessariamente, o seu significado. O texto foi escrito eliminando sinais gramaticais, pontos ou vírgulas. Um símbolo gráfico separa os períodos sintáticos. Norton, um extraterrestre minúsculo, cruza o universo numa viagem sem precedentes e é enviado para o Instituto Jacutinga, onde é submetido pelo Dr. Kirihara a todo tipo de experiências bizarras. O Dr. Kirihara criou em laboratório a Ninfa Dragão, uma maravilha genética.   Mas alguma coisa deu errada. A Ninfa Dragão nasceu gigante, com duas bocas, dois narizes e um olho. Os seios estão no lugar certo, mas a vagina saiu onde estava o umbigo. Um pênis surgiu no peito e parece uma gravata. Norton penetra na Ninfa Dragão para encontrar o código secreto que fará com que ela recupere sua forma original.

Ventonaveia reúne 101 poemas inéditos. Inicia justificando o título e encerra com um epitáfio. É um livro aberto, com o recheio exposto ao visitante, propondo-lhe a aventura de degustá-lo e deixar-se ficar um bom tempo entre as páginas. Ventonaveia é a cara do autor, ou então as suas máscaras. No melhor dos sentidos, Mario Pirata é um artista de feira. Faz versos malabares, retira e joga aos ares os lenços coloridos dos poemas. O verbo para aquecer o inverno da plateia. Agita seu pandeiro e seus chocalhos para marcar o ritmo que exige cada letra, convidando a dançar, celebrar a

 

.

Palavraria - livros a.

.

 

04, sábado, 19h: Lançamento do livro Ecoar do Silêncio desde outras margens, de Renata Guadagnin. (Editora Giostri)

ecoar do silênioExpressão do indizível, a emoção que toca um coração. Linguagem que circula para além da letra. Os sentimentos e circunstâncias da vida que marcam a memória, como ferida e cicatriz na pele, a recepção dos gestos do outro, o rosto do outro, o pulsar da vida e do cotidiano, são matéria-prima para a poesia da autora.

renata guadagninRenata Guadagnin é natural de Porto Alegre – RS. Formada em Direito e mestranda em Ciências Criminais pela PUC-RS. Dedica-se à pesquisa acadêmica não somente em temas relacionados à Justiça, circulando pela Criminologia, mas também nas áreas de Filosofia e Letras. Publicou o livro Criminologia e Arte – Diálogos Através das Grades do Cotidiano. O encontro com as palavras através da poesia e em forma de verso vem se construindo em sua vida desde a infância e, agora, os silêncios que circundam a escrita são compartilhados com o leitor nesta obra.

.

Palavraria - livros a.

.

19
set
14

Vai rolar na Palavraria, na próxima terça, 23, Lançamento do livro Aprendendo português através de gêneros literários, de Marco Antonio Bonfoco

.

ESTA SEMANA NA PALAVRARIA b.

23, terça, 19h: Lançamento do livro Aprendendo português através de gêneros literários, de Marco Antonio Bonfoco (Editora Buqui)

aprendendo portuguêsEste livro é um manual de trabalho cujo objetivo didático é melhorar o desempenho dos estudantes da educação básica na leitura e interpretação de textos. Os exercícios não têm a pretensão de propor uma análise exaustiva dos textos, muito menos de sugerir uma única via de leitura para eles. Certamente, são adequados para o início de trabalho com o texto poético. A revisão teórica é igualmente modesta e se determinaram duas finalidades: apresentar algumas ideias e conceitos em torno da estrutura da poesia e propor uma atividade de aplicação.

Marco Antonio Bonfoco tem graduação em Letras (1997) pela Universidade de Passo Fundo, Mestrado (2001) e Doutorado (2005) em Letras, na área de Linguística Aplicada, pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Lecionou nos cursos de graduação e de pós-graduação da Faculdade de Tecnologia SENAC (2006-8). É autor de “Introdução à Linguística” (Porto Alegre: Brejo Bibliobureau, 2012) e de “Aprendendo Português Através de Gêneros Literários” (Porto Alegre: Buqui, 2014). É membro do Núcleo de Estudos em Tecnologias Digitais na Educação (NETE/UFRGS).

.

Palavraria - livros a.

.

 

09
maio
14

Vai rolar na Palavraria, neste sábado, 10, 18h: Lançamento do livro Uma espiral e Movimento – novas perspectivas em Gestão e Liderança, organizado por Marta Luz Sisson de Castro e Martha Luci Maria Sozo

.

ESTA SEMANA NA PALAVRARIA b.

 

10, sábado, 18h: Lançamento do livro Uma espiral em Movimento – novas perspectivas em Gestão e Liderança, organizado por Marta Luz Sisson de Castro e Martha Luci Maria Sozo (Redes Editora)

Partindo dos interesses de pesquisa e especialização de um grupo de alunos do programa de Pós-Graduação em Educação da PUCRS, esta obra apresenta a gestão da educação em seu aspecto dinâmico e complexo envolvendo diferentes atores e contextos, construindo uma visão da gestão de dentro da escola. Esta visão possibilita uma compreensão única e pode levar a novos insights e reflexões sobre como melhorar a escola, como pensar sobre ela, como agir na escola.

Organizadoras:

Marta CastroMarta Luz Sisson de Castro: possui graduação em Filosofia e em Jornalismo, mestrado em Human Development pela University of Maryland, doutorado em System Development and Adaptation pela Boston University e pós-doutorado pela Indiana University. É professora da PUCRS junto ao Programa de Pós-Graduação em Educação.

Martha Luci SozoMartha Luci Maria Sozo: Possui graduação em Pedagogia, mestrado em Educação, doutorado em Educação pela PUCRS e Universidade Lusófona – Lisboa (PT). Professora Universitária desde 1990.

.

.

 

.

Palavraria - livros a.

.

.

01
dez
13

Programação de 2 a 7 de dezembro de 2013

program sem

.

02, segunda, 19h: Clube de Leitura – Livro, de José Luís Peixoto. Mediação de Telma Vaitses.

cp livro

O escritor português José Luís Peixoto recria neste romance o sabor das grandes narrativas de formação. A vida de Ilídio, o protagonista, é o relato de uma perseguição que começa no dia traumático em que a mãe o abandonou na infância, avançando através de seu amor pela delicada Adelaide. Determinada a afastar os jovens amantes, a tia de Adelaide a obriga a emigrar para Paris, seguindo o caminho que fizeram mais de um milhão de portugueses entre os anos 1960 e 1970. De Ilídio, Adelaide carrega só um livro, que recebeu de presente – o mesmo livro que a mãe lhe entregou quando era menino, dizendo que voltava logo. Na França, a existência de Adelaide é um esforço contínuo para preencher vazios. Mais por infelicidade do que por felicidade, casa-se. Também um livro a conduz a esse marido que parece mais apaixonado pela política do que pela mulher. O sonho de um reencontro é tortuoso. Mas Ilídio resolve viajar para a França em busca da amada, deixando para trás o pedreiro Josué, o homem que o criou. Cartas que não chegam aos destinatários, buscas que não se completam e amores difíceis trançam este delicado romance, no qual a dor se afirma como primeira condição do existir.

josé luís peixotoJosé Luís Peixoto nasceu em 1974, em Galveias, Portugal. Jovem revelação literária, estudou línguas e literaturas modernas (inglês e alemão) na Universidade Nova de Lisboa. Em 2001, recebeu o Prêmio José Saramago com o romance Nenhum olhar. Seus livros foram traduzidos para cerca de vinte idiomas.

– – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –

 

Clube de Leitura Penguim/Companhia das Letras – Palavraria

Inscrições gratuitas

O Clube de Leitura reúne, preferencialmente na primeira segunda-feira de cada mês, pessoas interessadas em ler e trocar idéias sobre obras da literatura clássica e contemporânea.

A primeira reunião foi em novembro de 2012, e discutiu o livro Terra Sonâmbula, de Mia Couto. Já foram enfocados Se um viajante numa noite de inverno (Italo Calvino), Barba ensopada de sangue (Daniel Galera), Caixa preta (Amoz Oz), Jacob, o mentiroso (Jurek Becker), A ausência que seremos (Héctor Abad), Risíveis amores (Milan Kundera), , O pintor de batalhas (Arturo Pérez-Reverte), A infância de Jesus (J. M. Coetzee), A máquina de Joseph Walser (Gonçalo M. Tavares), Há quem prefira urtigas ( Junichiro Tanizaki) e  Todos os homens são mentirosos (Alberto Manguel).

Em cada reunião os participantes escolhem as obras a serem discutidas nos próximos encontros e os respectivos mediadores, que serão sempre alternados.

Os participantes do Clube de Leitura terão um desconto de 10%, ao adquirirem na Palavraria os livros destinados à discussão.

 

Informações e inscrições na Palavraria
Rua Vasco da Gama, 165 – 51 3268 4260 – de segunda à sexta das 11 às 21h
ou pelo email palavraria@palavraria.com.br.

.

.

.

02, segunda, 19h: Lançamento do livro Infâncias, gênero e sexualidade: nas tramas da cultura e da educação, de Jane Felipe, Bianca Salazar Guizzo e Dinah Quesada Beck (organizadoras) (Editora da ULBRA).

infâncias, gênero e sexualidadeEste livro tem por objetivo contribuir para fortalecer, ampliar e aprimorar os debates acerca da produção e da construção das infâncias em articulação com as questões de gênero e sexualidade. Nosso desejo é que ele sirva de interlocução nas escolas com professoras, famílias e demais interessados nos temas da infância.

As organizadoras

jane felipeJane Felipe. Professora pesquisadora de graduação e pós-graduação da Faculdade de Educação da UFRGS, na linha de pesquisa Educação, Sexualidade e Relações de Gênero. Possui pós-doutorado na área de Cultura Visual, pela Universidad de Barcelona; doutorado e mestrado em Educação, respectivamente pela UFRGS e UFF/RJ; graduação e Licenciatura Plena em Psicologia pela UFRJ.  Integra o GEERGE – Grupo de Estudos de Educação e Relações de Gênero – e o GEIN – Grupo de Estudos em Educação Infantil e Infâncias. Dentre suas publicações mais recentes, se destacam: uma das organizadoras do livro Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na Educação (Vozes, 2012); Diversidade sexual na educação: problematizações sobre homofobia nas escolas (UNESCO, 2009); Sexualidade nos livros infanto-juvenis, In: MEYER, Dagmar et al. (org.). Saúde, sexualidade e gênero na educação de jovens (Mediação, 2012). Coordena atualmente, em parceria com a Universidad de Extremadura, Espanha, a  pesquisa “Violências de gênero, amor romântico e famílias: entre idealizações e invisibilidades, os maus tratos emocionais e a morte”.

bianca salazar guizzoBianca Salazar Guizzo. Professora pesquisadora no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Luterana do Brasil – PPGEDU/ULBRA, na linha de pesquisa Infância, Juventude e Espaços Escolares. Pedagoga, Mestre e Doutora em Educação pela UFRGS. Integrante do GEERGE – Grupo de Estudos de Educação e Relações de Gênero -, vinculado ao PPGEDU/FACED/UFRGS. Atua principalmente com os seguintes temas: políticas públicas e legislação da educação básica, infância, gênero, sexualidade, raça/etnia, mídia, cultura visual e educação infantil, possuindo varias publicações na área.

dinahDinah Quesada Beck. Professora pesquisadora do Instituto de Educação da FURG, formada em Pedagogia pela mesma universidade. Mestre em Educação (UFPel) e Doutora em Educação (UFRGS). Integrante do GEERGE – Grupo de Estudos de Educação e Relações de Gênero -, vinculado ao PPGEDU/FACED/UFRGS. Atua principalmente com os seguintes temas: infâncias, gênero, sexualidade, consumo, erotização, educação, possuindo varas publicações na área.

.

As autoras e autor

belloAlexandre Toaldo Bello. Professor pesquisador, licenciado em Educação Física (UFRGS), especialista em Educação Infantil, mestre em Educação e em fase de conclusão do doutorado, pela UFRGS, com a tese intitulada “Pecuária” do amor: relações afetivo-sexuais das jovens em uma escola da periferia de Porto Alegre. Atualmente é professor da rede municipal de Porto Alegre.

liliane madrugaLiliane Maduga Prestes. Licenciada em Pedagogia, possui as seguintes especializações: Educação Infantil e Anos Iniciais, Supervisão Escolar, Psicopedagogia e Deficiência Mental. Foi Pró-reitora de Ensino da UERGS e professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do RS. Atualmente está concluindo seu doutorado na UFRGS, com a temática de jogos para crianças na rede e exerce o cargo de coordenadora Pedagógica da Unidade de Educação Infantil Ipê Amarelo, do Centro de Educação da UFSM.

Suyan 2Suyan Maria Castro Ferreira. Professora pesquisadora da FAPA e da rede privada de ensino. Pedagoga (PUC), Mestre e doutora em Educação (UFRGS), com a tese intitulada “Histórias de amor para sempre, histórias de amor para nunca mais”: o amor romântico na literatura infantil.

zandra argueloZandra Elisa Argüello Argüello. Psicóloga (Universidad Nacional Autônoma de Nicarágua), especialista e mestre em Educação (UFRGS). Atualmente trabalha no Colégio Leonardo Da Vinci Alfa.

.

.

.

.

.

04, quarta, 19h: Lançamento do livro Recortes para álbuns de fotografia sem gente, de Natália Borges Polesso (Editora Modelo de Nuvem).

recortes para albumFinalista do Prêmio Açorianos 2013, o livro de estreia de Natalia Borges Polesso, Recortes para álbum de fotografia sem gente, é uma compilação de narrativas curtas, algumas já publicadas em jornais e antologias e outras inéditas. São 51 contos que se integram na temática por querer fazer-se ouvir algo que, com cadência, repete-se e repete-se por necessidade. É um livro de coisas não ditas que escapa das narrativas mais lineares e que se integra à prosa poética. Entre cuidados quebradiços e impedimentos anunciados bem no meio das vontades, Natalia experimenta, em nível estético, paisagens internas e seus efeitos. A autora mergulha no não-dito das relações e, na inexistência ou impossibilidade de acontecimentos maiores, escreve grandes histórias do que restou de fragmentos em nossas vidas.

natalia borges polessoNatalia Borges Polesso nasceu em 1981. É escritora, professora, tradutora, revisora e equilibrista do tempo. Mestre em Letras, Cultura e Regionalidade pela UCS e doutoranda em Teoria da Literatura na PUCRS. Autora premiada com contos e poesias em concursos literários, tem contos publicados em jornais, revistas, blogs e portais literários.

.

.

.

.

05, quinta, 19h: Lançamento do livro Imaginário, de Gabriel Ciareto (Editora Vivilendo).

.

.

.

06, sexta, 19h: Lançamento do CD Canções para todos os amores, de Paulo Stekel. Pocket musical com o autor.

Capa_CD Canções para todos os amores “Canções Para Todos os Amores”, novo álbum de Stekel (Canoas – RS), é o décimo de sua carreira independente, e tem como diferencial duas novidades: é o primeiro com todas as músicas cantadas em Português; marca uma nova fase, mais romântica e popular, sem deixar de lado o viés espiritual universal das letras já conhecidas em músicas apreciadas pelo público em álbuns anteriores (“Amor-Alma”, “Sonhos”, “Iguais”). Na verdade, se trata de um álbum de pop alternativo que passeia por influências de vários estilos, chegando a um resultado final agradável e inspirador.

O pocket show contará com a participação dos músicos porto-alegrenses Super Gisele (cantora e produtora que já gravou singles com Stekel) e André de Souza (músico e produtor). A entrada é franca.

Digital imageStekel, além de músico e produtor, é escritor poliglota, especialista em línguas sagradas. Filho de músico, após muitos anos pesquisando a relação entre Canalização, Cabala e Música, passou a desenvolver um trabalho específico com música espiritual. Tem trabalhado com palavras sagradas hebraicas e sânscritas no processo de fazer música codificada. Agora, com o novo álbum, pretende aliar o estilo “místico” de sua música a uma sonoridade mais popular. Tem publicado os seguintes àlbuns: Qadosh – Música Canalizada & Mantras Codificados (2008), Galaktika – an internal space travel (2009), Fluindo Reiki… Natureza (2010), Fluindo Reiki… Mantras (2010), Stekel – remixes & new songs 2010 (2010), Sacred Voices (2010), The Planets – for XXIst Century (2011), Indigo – Cosmic Sounds for Activation (2011), Odes To The Spirits of Light (2012) e Canções Para Todos os Amores (2013).

Mais sobre Stekel:
Stekelmusic – http://stekelmusic.blogspot.com
Página de Fãs – https://www.facebook.com/pages/Stekel/97626172708
Contatos – pstekel@gmail.com

 .

.

.

07, sábado, sábado, 18h: Lançamento do livro Cinema em choque. Diálogos e rupturas, de Carlos Gerbase e Cristiane Freitas Gutfreind – organizadores (Editora Sulina).

cinema em choque

cinema em choque - gerbase e gutfreindNão existem linguagens “puras”. No instante em que elas se concretizam para a elaboração de processos artísticos ou de comunicação, são sempre mestiças. Ainda bem. O cinema, que já nasceu como uma linguagem de linguagens, não foge à regra. Este livro é uma reflexão sobre o que acontece quando o cinema, este poderoso e jovem mestiço, entra em contato com outras linguagens, às vezes muito mais antigas, como o teatro, outras vezes até mais recentes, como a videoarte. Nem sempre a aproximação acontece de forma tranquila e colaborativa. Às vezes, os conflitos são inevitáveis, e os choques podem provocar intensas discussões. Contudo, é na mistura sígnica de diferentes áreas que surgem as obras mais originais e relevantes para a sociedade. Este conjunto de ensaios, escritos por professores e profissionais de Comunicação, dará ao seu leitor um rico panorama do universo audiovisual contemporâneo, analisando os seus diálogos com universos paralelos e mostrando as rupturas e os buracos negros que também podem surgir, consequência dos inevitáveis atritos linguísticos. O resultado é leitura obrigatória não somente para quem circula no meio acadêmico, mas também para qualquer usuário e consumidor de linguagens, ou seja, a totalidade dos seres humanos

carlos gerbaseCarlos Gerbase possui doutorado em Comunicação Social pela PUCRS (2003). É professor titular da PUCRS, atuando no Curso Superior de Tecnologia em Produção Audiovisual (graduação) e no Programa de Pós-Graduação. Tem experiência na área de Comunicação, com ênfase em Cinema, atuando principalmente nos seguintes temas: cinema, narrativa, literatura, tecnologia e linguagem. É roteirista e diretor cinematográfico desde 1978, tendo realizado seis longa-metragens e dez curtas. É escritor, com três trabalhos de ficção (dois volumes de contos e um romance) e duas obras ensaísticas na área do cinema (tecnologias digitas e direção de atores).

Cristiane Freitas GutfreindCristiane Freitas Gutfreind possui graduação em Sociologia e Política pela Pontificia Universidade Católica do Rio de Janeiro (1994), mestrado em Cultures et Comportements Sociaux – Université de Paris V (René Descartes -1996) e doutorado em Sociologie – Université de Paris V (René Descartes – 2001). Professora do PPGCom da Pontificia Universidade Católica do Rio Grande do Sul e pesquisadora do CNPq. Coordenadora do departamento de Ciências da Comunicação, membro da comissão coordenadora do PPGCom e editora da Revista Famecos. Membro da AFECCAV (Association Française des Enseignants et des Chercheurs en Cinéma et Audiovisuel). Tem experiência na área de Sociologia e Comunicação, com ênfase em Cinema, atuando principalmente nos seguintes temas: teorias do cinema, imaginário, estética e filosofia da comunicação.

.

.

.

15
set
13

A crônica de Emir Ross: Titãs

.

.

Titãs, por Emir Ross

Todo ano é a mesma história.

De um lado o CPERS – professores não precisam apenas dinheiro para se alimentar e pagar o T2. Precisam de um sistema que lhes permita serem professores.

Do outro lado, o Governo – o governo não tem verba para aumentar os salários e permitir que os professores se especializem ou comprem livros. Precisa implantar sistemas em que alunos não repitam o ano, repetência é prejuízo.

No meio, os alunos – alunos acham ótimo que professores e governo não se entendam e que todo ano saia greve. Férias fora de época. Passagem de ano garantida. A ignorância é uma dádiva.

A briga entre quem quer ensinar e quem quer se livrar do problema é um duelo que se estende desde que descemos das árvores. Professores alegam que se quisessem apenas remuneração, não seriam professores. Iam ser qualquer outra coisa. Catar latas ou limpar banheiros públicos. Fazem por ideologia.

Mas nos primórdios do século XXI, as ideologias soam como algo démodé, esquisito. Brega. Ainda mais ao sul tupiniquim.

Ideologia é conta bancária. Dinheiro para as Brahma. Para a vodka com rédibul.

Professores formaram-se para ensinar. Não fizeram seis anos de psicologia. E se sequer conseguem convencer o governo de que são imprescindíveis para o desenvolvimento saudável da sociedade, penso que fica ainda mais difícil convencer os alunos que pensam não precisar estudar, pois o tio pedreiro nunca estudou e “tira três mango por mês.”

Os alunos são clientes do governo. O governo vai pela tangente. Pega o caminho mais fácil. Todos pegam o caminho mais fácil. Empurram com a barriga. Que é o que mais cresce nessa história. Junto com a baixa estima dos professores.

A saída é a greve. A entrada também.

Entrada para um túnel sem saída. Vez por outra aparece uma luz. Mas pouco ilumina. Uns se jogam contra ela. Outros, tapam com as mãos.

O duelo é de Titãs. Seres imortais. Sempre haverá governo, professores e alunos. Uma pena que a parte que deveria estar mais interessada nesse assunto apenas assiste de camarote. Ou nem isso.

.

Emir Ross é publicitário e escritor e mora em Porto Alegre. Tem participação em 9 antologias de contos e recebeu mais de 20 prêmios literários. Entre eles, o Felippe d’Oliveira em Santa Maria (3 vezes), o Escriba de Piracicaba (2 vezes), o Luiz Vilela de Minas Gerais (2 vezes), o José Cândido de Carvalho do Rio de Janeiro (2 vezes), o Prêmio Araçatuba, entre outros. Escreve no blog milkyway.

.

Emir Ross publica quinzenalmente neste blog.

.

.

21
ago
13

Aconteceu na Palavraria, sábado, 17, o lançamento do livro Redefinições das fronteiras entre o público e o privado, organizado por Vera Peroni

.

aconteceu

.

Aconteceu sábado, 17,  o lançamento do livro Redefinições das fronteiras entre o público e o privado: implicações para a democratização da educação, organizado por Vera Peroni. Fotos do evento.

.

Redefinições das fronteiras 01.

Redefinições das fronteiras 02Redefinições das fronteiras 03Redefinições das fronteiras 04.

.

.

.

Redefinições das fronteiras 05Redefinições das fronteiras 06Redefinições das fronteiras 07.

.

.

.

.

.

Palavraria - livros c.

 




maio 2017
S T Q Q S S D
« out    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  

Categorias

Blog Stats

  • 606,615 hits
Follow Palavraria – Livros & Cafés on WordPress.com

%d blogueiros gostam disto: