Posts Tagged ‘palestras

25
maio
14

Aconteceu na Palavraria, neste sábado, 24: Festipoa na Palavraria II

.

aconteceu
.

24, sábado, Festipoa na Palavraria

festipoa 2013

 

.

festipoa 01.

festipoa 02festipoa 03 festipoa 04 festipoa 05.

.

.

.

.

.

festipoa 05a.

festipoa 06festipoa 07 festipoa 08 festipoa 09.

.

.

.

.

.

festipoa 09a.

festipoa 10.festipoa 11

.festipoa 12 festipoa 13

.

.

.

.

.

festipoa 13a.

festipoa 14festipoa 14a festipoa 14b festipoa 14c.

.

.

.

.

.

festipoa 15a.

festipoa 16festipoa 17 festipoa 18 festipoa 19.

.

.

.

.

.

.

festipoa 20 festipoa 21.

.festipoa 19a

.

.

.

.

 

.

Palavraria - livros a.

.

 

24
maio
14

Vai rolar na Palavraria, nesta segunda, 26, Lançamento do livro Futuro pifado na literatura brasileira – Promessas desenvolvimentistas e modernização autoritária, de Homero Vizeu Araújo, com Luiz Augusto Fischer e Antonio Sanseverino.

.

ESTA SEMANA NA PALAVRARIA b.

26, segunda, 19h: Lançamento do livro Futuro pifado na literatura brasileira  – Promessas desenvolvimentistas e modernização autoritária,  de Homero Vizeu Araújo. Bate-papo do autor com Luiz Augusto Fischer e Antonio Sanseverino.

futuro  pifado

 .

Os ensaios recolhidos na obra tratam da literatura brasileira contemporânea, procurando captar como a cultura de um país reelaborou esteticamente as promessas da modernização democrática nos anos 50 e a consequente realização autoritária dessa modernização a partir de 1964. Daí um arco que vai aproximadamente do último governo Vargas até a década de 1980, com um ou outro ensaio tratando de matéria fora do período mas alimentado pelo mesmo problema. A variedade aqui é proposital, trata-se de buscar as relações entre a forma estética e processo social em momentos diversos mas combinados da literatura brasileira.

antonio sanseverinoAntônio Sanseverino é professor de Literatura da Ufrgs e pesquisador Cnpq, ensaísta.

luiz augusto fischerLuís Augusto Fischer é professor de Literatura da Ufrgs e escritor, autor de Machado e Borges e Filosofia mínima, entre outros livros.

homero vizeu AraújoHomero Vizeu Araújo é professor de Literatura da Ufrgs e autor de Machado de Assis e arredores.

 

.

.

.

Palavraria - livros a.

.

23
maio
14

Vai rolar na Palavraria, neste sábado, 24, a partir das 17h24: Festipoa na Palavraria II

.

ESTA SEMANA NA PALAVRARIA b.

24, sábado, Festipoa na Palavraria

festipoa 2013

Leitura | A melhor maneira de dizer tudo em 6 minutos
17h24 – CLÁUDIA TAJES


CLAUDIA TAJESClaudia Tajes
 nasceu em Porto Alegre em 1963. Redatora publicitária, estreou na literatura com Dez (Quase) Amores (L&PM Editores, 2000). Seguiram-se As Pernas de Úrsula & Outras Possibilidades (L&PM Editores, 2001) e o romance Dores, Amores & Assemelhados (L&PM Editores, 2002), A vida sexual da mulher feia (2005), Louca por homem(L&PM 2011), Vida dura (L&PM POCKET, 2008) e Só as mulheres e as baratas sobreviverão (L&PM Editores, 2009), Por isso eu sou vingativa (2011) e Sangue quente (2013).  Além de escritora, Claudia Tajes é roteirista da Globo e em 2011 teve seu livro  Louca por homemadaptado para uma série no canal HBO chamado Mulher de fases.

Sarau das 6
17h30 – JEFERSON TENÓRIO, GABRIELA SILVA e LÍGIA SÁVIO recebem CÍNTIA MOSCOVICH e MARCELINO FREIRE

Cíntia foto de Cleber PassusCíntia Moscovich é escritora, jornalista e mestre em Teoria Literária. Foi diretora do Instituto Estadual do Livro do Rio Grande do Sul. Em 1995, foi a ganhadora do Concurso de Contos Guimarães Rosa, da Rádio France Internationale, de Paris. Publicou O reino das cebolas, 1996 – indicação para o Prêmio Jabuti; Duas iguais: Manual de amores e equívocos assemelhados, 1998 – Prêmio Açorianos de narrativa longa; Anotações durante o incêndio, 2000 – Prêmio Açorianos, na modalidade de contos; Arquitetura do arco-íris, 2004 – Prêmios Portugal Telecom e Jabuti -2005; Por que sou gorda, mamãe? – 2006 e Mais ou menos normal – 2007.

MARCELINO FREIREMarcelino Freire – homenageado especial da Festipoa 2014 – nasceu em 1967, em Sertânia, PE. Viveu no Recife e, desde 1991, reside em São Paulo. É autor, entre outros, dos livros “Angu de Sangue” (Ateliê Editorial) e “Contos Negreiros” (Editora Record – Prêmio Jabuti 2006). Em 2004, idealizou e organizou a antologia de microcontos “Os Cem Menores Contos Brasileiros do Século” (Ateliê). Alguns de seus contos foram adaptados para teatro. Participou de várias antologias no Brasil e no exterior. “Contos Negreiros” foi publicado em 2013 na Argentina, pela Editora Santiago Arcos e com tradução de Lucía Tennina. Criou a Balada Literária, evento que, desde 2006, reúne escritores, nacionais e internacionais, pelo bairro paulistano da Vila Madalena. É um dos integrantes do coletivo EDITH, pelo qual lançou, em julho de 2011, o livro de contos “Amar É Crime”. No final de 2013, publicou seu primeiro romance, intitulado “Nossos Ossos” (Record), com previsão de publicação também na Argentina, pela editora Adriana Hidalgo, e na França, pela editora Anacaona.
Jeferson Tenório 01Jeferson Tenório nasceu no Rio de Janeiro, em 1977. Radicado em Porto Alegre, é mestre em letras pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Leciona em escolas de Porto Alegre. Premiado no concurso Paulo Leminski em 2009, com o conto Cavalos não choram e no concurso Palco Habitasul, com o conto A beleza e a tristeza, adaptado para o teatro em 2007 e 2008. Organiza mensalmente o Sarau das 6 na tradicional livraria Palavraria. O beijo na parede é seu primeiro romance.
gabriela silva 02Gabriela Silva tem literatura no seu dna. Desde a infância convive com homens e deuses e as histórias que lhe contam. É formada em Letras, estuda o mal e a morte na literatura e todas as teorias conspiratórias e literárias. É doutora em Teoria da Literatura pela PUCRS, tendo como foco a construção da personagem. Entre outras atividades, coordena atualmente o grupo que organiza e apresenta mensalmente o Sarau das 6, programa de leituras e comentários literários, na Palavraria.
lígia sávioLígia Savio. Amante do poeta francês Rimbaud desde a adolescência, é professora de literatura, do município de Porto Alegre e doutora em Letras pela UFRGS. Participou de antologias independentes na década de 70 (Teia, Teia II e Paisagens) com a participação de Caio Fernando de Abreu e Wesley Coll, entre outros.
.
.
.

Leitura | A melhor maneira de dizer tudo em 6 minutos
19h24 – ALTAIR MARTINS lê MARCELINO FREIRE

altair martins 05Altair Martins nasceu em Porto Alegre, em 1975. É bacharel em letras pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul – ênfase em tradução de língua francesa –, mestre e doutor em Literatura Brasileira na mesma área pela mesma universidade. Ministrou a disciplina de Conto no curso superior de Formação de Escritores da UNISINOS. Como escritor, estreou com a antologia de contos Como se moesse ferro (1999), seguida de Se choverem pássarosA parede no escuro, seu primeiro romance, foi vencedor do segundo Prêmio São Paulo de Literatura, na categoria primeiro romance, em 2009. Com seus livros anteriores, Altair Martins também foi vencedor do PrêmioGuimarães Rosa da Radio France Internationale, em 1999, do Prêmio Luiz Vilela e do Concurso Nacional de Contos Josué Guimarães, em 2001 e do Prêmio Açorianos na categoria Contos. Foi também finalista do Prêmio Jabuti em na categoria crônicas em 2001 com o livro Como se moesse ferro. A parede no escuro foi o vencedor do Prêmio São Paulo de Literatura 2009 na categoria melhor romance de estréia. Tem textos publicados em Portugal, Itália, França, EUA e Argentina.

Mesa 6

19h30 – Escrita política, conversa de JOÃO SILVÉRIO TREVISAN e ALTAIR MARTINS. Mediação: MARCELINO FREIRE

joão silvério trevisanJoão Silvério Trevisan (Ribeirão Bonito SP 1944). Romancista, contista, ensaísta, roteirista, cineasta e tradutor. Inicia a trajetória no cinema ao participar de filmagens como assistente de produção, responsável por trilhas sonoras de filmes do cineasta João Baptista de Andrade (1939), ao adaptar textos para roteiros, escrever e dirigir curtas e médias-metragens. Em 1971, escreve e dirige o longa-metragem Orgia ou o Homem que Deu Cria. Dois anos mais tarde, viaja para a Califórnia, Estados Unidos, e entra em contato com o movimento gay organizado e com a mídia especializada nessa temática. Escreve os contos do livro Testamento de Jônatas Deixado a Davi, que publica na volta ao Brasil, em 1976. Em 1978, militando no movimento gay, organiza o grupo Somos pelos Direitos dos Homossexuais Brasileiros, e funda o jornal temático Lampião da Esquina, para integrar pontos de vista não somente de homossexuais, mas também de outros grupos excluídos. Em 1982, atendendo à demanda da editora britânica Gay Men’s Press – GMP, começa uma intensa pesquisa para escrever uma história da homossexualidade no Brasil, Devassos no Paraíso, lançada em 1986 simultaneamente na Inglaterra e no Brasil. Nesse ínterim, escreve seus dois primeiros romances: Em Nome do Desejo e Vagas Notícias de Melinha Marchiotti. Entre 1998 e 2005 realiza uma série de oficinas literárias para o Serviço Social do Comércio de São Paulo – Sesc/SP.

 

 

.

Palavraria - livros a.

.

 

18
maio
14

Programação de 19 a 24 de maio de 2014

.

ESTA SEMANA NA PALAVRARIA b.

20, terça, 19h: Confraria de Leitura Reinações.

Palavraria - livros a

21, quarta, 18h: Festipoa na Palavraria

Mesa 3

18h30 – LUISA GEISLER, WILSON FREIRE, LIMA TRINDADE conversam sobre suas obras. Mediação: REGINALDO PUJOL FILHO. Lançamentos de “Única voz”, de Wilson Freire, e “O  retrato ou Um pouco de Henry James não faz mal a ninguém”, de Lima Trindade

luisa geislerLuisa Geisler nasceu em Canoas-RS, mas passa dois terços de seu tempo em Porto Alegre, estudando Relações Internacionais. Aos 19 anos de idade, ganhou o Prêmio SESC de Literatura de 2010 na categoria conto, pelo seu livro de estreia, Contos de mentira. No ano seguinte, repetiu a dose vencendo o prêmio de melhor romance com Quiçá. Em 2012 foi incluída na antologia Os melhores jovens escritores brasileiros, editada pela revista Granta. Foi a mais jovem autora selecionada para a coleção

wilson freireWilson Freire de Lima, nascido em São José do Egito, é médico, produtor cultural, poeta, cordelista, roteirista, cineasta e compositor. A única voz, seu mais recente livro, com edição artesanal em papelão feita pela Mariposa Cartonera, é uma ficção que se passa no período da ditadura. Em Recife começou a militância artística junto ao Movimento de Escritores Independentes de Pernambuco (MEIPE) participando de encontros e recitais. Seu livro Por que mãe Morena? foi um dos que obtiveram maior visibilidade na época e os martelos agalopados ganhavam vida na recitação do poeta. É um compositor refinado e tem como um dos seus parceiros o multiartista Antonio Carlos Nóbrega.

LIMA TRINDADELima Trindade nasceu em Brasília e está radicado em Salvador desde 2002. É contista, romancista e editor da revista eletrônica Verbo 21.  Publicou os livros Todo o sol mais o Espírito Santo (2005), Supermercado da Solidão (2005) e Corações blues e serpentinas (2007). Ao ter seu nome incluído na antologia Geração Zero Zero: fricções em rede (2011), o escritor e crítico literário Nelson de Oliveira o considerou como um dos autores nacionais mais relevantes surgidos a partir do ano 2000. Participou ainda das coletâneas As baianas, com o conto A piriguete de Ondina, e 82 – uma copa, quinze histórias, com o conto Toda a arte do futebol. Tem inédito o romance A cidade e os nomes. O  retrato ou Um pouco de Henry James não faz mal a ninguém  é  um  conto que transita em diversas tradições do gênero: relato de viagem, história de amor, realismo mágico e crônica de costumes… além de costurar fatos históricos e ficção. “Seria o encontro e o confronto de culturas. A história começa com dois brasileiros em Portugal. Por isso a brincadeira com o subtítulo [Um pouco de Henry James não faz mal a ninguém], pois o atrito entre o velho e o novo era um de seus principais temas. De uma maneira ou de outra isso acaba se referindo à forma”.

Reginaldo Pujol Filho, escritor portoalegrense, tem dois livros de contos publicados, Azar do Personagem e Quero ser Reginaldo Pujol Filho e é o organizador da antologia Desacordo ortográfico. Mantem o blog Por causa dos elefantes.

 

Leituras de poemas e lançamentos

20h – PAULO RIBEIRO, MIRÓ DE MURIBECA e RODRIGO GARCIA LOPES participam de leituras e lançam os livros “O passo do socorro”, “Miró até agora” e “Estúdio realidade”.

 

PAULO RIBEIROPaulo Ribeiro. Doutor em Letras pela PUC-RS, jornalista, leciona na Universidade de Caxias do Sul. Estreou em 1989 com o romance Glaucha. Recebeu o Prêmio Henrique Bertaso por Vitrola dos Ausentes, melhor narrativa longa, em 1994, ano em que a mesma novela foi indicada para o Prêmio Açorianos de Literatura. Da estreia até o presente, além manter coluna de crônicas no jornal Pioneiro de Caxias do Sul, vem consolidando sua obra – que soma 15 livros – em publicações individuais e coletivas com novelas, contos, crônicas e ensaios. Com ilustrações do próprio autor, o fio condutor de ‘O Passo do Socorro’ é o movimento que há entre o cotidiano (passo) e um possível sentido para a vida (socorro). “O socorro é a poesia. Ela vem para nos salvar. É o que sobra dessa trajetória, porque precisamos de alguma razão para estarmos aqui. E quem nos dá essa razão é a poesia”, enfatiza. Conforme Paulo, as gravuras do livro reforçam a reprodução do cotidiano que há por detrás do movimento da escrita. “Quando eu dou esse impulso, eu estou representando. Os poemas e as gravuras são uma representação da realidade”.

miró da muribecaMiró da Muribeca nasceu em 1962 no Recife, no bairro da Encruzilhada. Morador da Muribeca, escreve desde 1985 e tem 7 livros lançados:  Que descobriu azul anil (1985), Ilusão de ética (1993), Entrando pra fora e saindo pra dentro (1995), Quebra a direita segue a esquerda e vai em frente (1997), São Paulo eu te amo mesmo andando de ônibus (2001), Poemas pra sentir tesão ou não (2002), Pra não dizer que não falei de flúor (2004). Costuma apresentar recitais por todas as esquinas.

 

rodrigo_garcia_lopesRodrigo Garcia Lopes (Londrina, PR) é poeta, compositor, tradutor e jornalista. É autor dos livros de poemas Solarium (1994), Visibilia (1996), Polivox (2001), Poemas seleciados (2001) e Nômade (2004). É Mestre em Humanidades Interdisciplinares pela Arizona State University, com tese sobre os romances de William Burroughs, e Doutor em Letras pela Universidade Federal de Santa Catarina, com tese sobre a poeta e filósofa modernista norte-ameriana Laura Riding. EM 1997 lançou Vozes & Visões: Panorama da Arte e Cultura Norte-Americanas Hoje, com 19 entrevistas com personalidades da cultura e literatura norte-americana. Como tradutor, publicou Sylvia Plath: Poemas (1990) e Iluminuras: Gravuras Coloridas, de Arthur Rimbaud (1994), ambos com Maurício Arruda Mendonça. Em 2004 traduziu e organizou os livros Minscapes: Poemas de Laura Riding (2004), O navegante (do anônimo anglo-saxão, 2004). Em 2005 publicou Leaves of Grass/Folhas de relva, de Walt Whitman e, em 2007, Ariel, de Sylvia Plath (com Cristina Macedo). Músico e compositor, em 2001 lançou o CD Polivox (independente) e nos anos seguintes se apresentou com show homônimo em várias capitais brasileiras. De 2006 a 2008 foi professor do departamento de Romance Languages da Universidade da Carolina do Norte-Chapel Hill (Estados Unidos). Em 2013 lançou seu segundo CD, Canções do Estúdio Realidade. Há onze anos edita, com Marcos Losnak e Ademir Assunção, a revista de arte e literatura Coyote. estúdio realidade = rodrigo garcia lopes“Assaltem o Estúdio Realidade e retomem o universo” – a frase de William Burroughs dá o título para o novo livro de poemas de Rodrigo Garcia Lopes. Repleto de experimentações intertextuais, Estúdio realidade reúne poemas intensos e marcantes, nos quais toma corpo uma vibrante sinfonia de estilos, dicções, ritmos e formas. “Estúdio Realidade”, “Vórtex”, “Pensagens” , “Quarto Escuro” e “24 Aforismos Sobre Poesia” são as seções em que a obra se divide, e na qual Rodrigo Garcia Lopes explora diversas formas poéticas –como o poema em prosa, o epigrama, o oríkì africano,o haicai, o poema visual. Intercalando polifonias e múltiplos sentidos, estes versos se destacam pela heterogeneidade – numa obra que se destaca pela singularidade e pelo olhar sensível do autor.

.

Palavraria - livros a.

.

.

22, quinta, 19h: Lançamento dos livros Geografia aérea (Editora 7letras) e Forma formante (Ed. UFSC), de Manoel Ricardo de Lima.

a forma_formantePor que reescrever os próprios poemas? Por que variar infinitamente as versões de um mesmo texto? Herberto Helder ou o poema contínuo, interminável. O livro em si mesmo “flutua”, o livro é sempre “em suspensão” (diz ele em uma carta). A revisita dos próprios textos e a criação de um lugar, uma casa ou um pequeno refúgio, mas que seja, ao mesmo tempo, móvel e (imprevisivelmente) rearranjável. Helder, Beckett, Ana Cristina Cesar e, aqui, Manoel Ricardo de Lima, nesta Geografia aérea, um mapa que se refaz: osgeografia aérea poemas que vieram antes já em vista do que veio depois; em vista do que, antes, era imprevisto. Não se trata de uma antologia, diz Manoel, mas desta vista aérea, que cata alguns pontos notáveis, escolhe alguns e revisita. E há também inéditos, numa sequência intitulada “Lâminas” (2013). E um fio que percorre todos os poemas, fio no entanto quebrado: “fio que desorienta o horizonte” (Falas inacabadas). Mas fio que diz de um percurso poético que é este: desorientar o horizonte previsto. Fazer a palavra vincar o deserto, apagar o nome, perfurar (ou rasurar) a paisagem: “onde vinco o deserto onde o nome se apaga”.

manoel ricardo de lima

Manoel Ricardo de Lima é Professor Adjunto de Literatura Brasileira da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, UNIRIO, atuando na Escola de Letras [CLA] e no Programa de Pós-Graduação em Memória Social [PPGMS]. Pós-Doutor [2010] e Doutor em Teoria Literária pela Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC [2008], Mestre em Letras pela Universidade Federal do Ceará, UFC [1998] e Graduado em Filosofia pela Universidade Estadual do Ceará, UECE [1994]. Publicou os livros de poesia Falas inacabadas – objeto e um poema, Um livro – Transparência (com Élida Tessler), Embrulho, Quando todos os acidentes acontecem, Jogo de varetas/As mãos, e os ensaios Entre percurso e vanguarda – Alguma poesia de Paulo Leminski, 55 começos Fazer lugar – a poesia de Ruy Belo

 

.

Palavraria - livros a.

.

 

24, sábado, Festipoa na Palavraria

Leitura | A melhor maneira de dizer tudo em 6 minutos
17h24 – CLÁUDIA TAJES

Sarau das 6
17h30 – JEFERSON TENÓRIO, GABRIELA SILVA e LÍGIA SÁVIO recebem CÍNTIA MOSCOVICH e MARCELINO FREIRE

Leitura | A melhor maneira de dizer tudo em 6 minutos
19h24 – ALTAIR MARTINS lê MARCELINO FREIRE

Mesa 6

19h30 – Escrita política, conversa de JOÃO SILVÉRIO TREVISAN e ALTAIR MARTINS. Mediação: MARCELINO FREIRE

 

.

Palavraria - livros a.

.

 

17
maio
14

Vai rolar na Palavraria, nesta quarta, 21, Festipoa na Palavraria: Luísa Geisler, Wilson Freire, Lima Trindade e Reginaldo Pujol Filho; Paulo Ribeiro, Miró da Muribeca e Rodrigo Garcia Lopes

.

ESTA SEMANA NA PALAVRARIA b.

21, quarta, 18h: Festipoa na Palavraria

Mesa 3

18h30 – LUISA GEISLER, WILSON FREIRE, LIMA TRINDADE conversam sobre suas obras. Mediação: REGINALDO PUJOL FILHO. Lançamentos de “Única voz”, de Wilson Freire, e “O  retrato ou Um pouco de Henry James não faz mal a ninguém”, de Lima Trindade

luisa geislerLuisa Geisler nasceu em Canoas-RS, mas passa dois terços de seu tempo em Porto Alegre, estudando Relações Internacionais. Aos 19 anos de idade, ganhou o Prêmio SESC de Literatura de 2010 na categoria conto, pelo seu livro de estreia, Contos de mentira. No ano seguinte, repetiu a dose vencendo o prêmio de melhor romance com Quiçá. Em 2012 foi incluída na antologia Os melhores jovens escritores brasileiros, editada pela revista Granta. Foi a mais jovem autora selecionada para a coleção

wilson freireWilson Freire de Lima, nascido em São José do Egito, é médico, produtor cultural, poeta, cordelista, a única voz - wilson freireroteirista, cineasta e compositor. A única voz, seu mais recente livro, com edição artesanal em papelão feita pela Mariposa Cartonera, é uma ficção que se passa no período da ditadura. Em Recife começou a militância artística junto ao Movimento de Escritores Independentes de Pernambuco (MEIPE) participando de encontros e recitais. Seu livro Por que mãe Morena? foi um dos que obtiveram maior visibilidade na época e os martelos agalopados ganhavam vida na recitação do poeta. É um compositor refinado e tem como um dos seus parceiros o multiartista Antonio Carlos Nóbrega.

LIMA TRINDADELima Trindade nasceu em Brasília e está radicado em Salvador desde 2002. É contista, romancista e editor da revista eletrônica Verbo 21.  Publicou os livros Todo o sol mais o Espírito Santo (2005), Supermercado da Solidão (2005) e Corações blues e serpentinas (2007). Ao ter seu nome incluído na antologia Geração Zero Zero: fricções em rede (2011), o escritor e crítico literário Nelson de Oliveira o considerou como um dos autores nacionais mais relevantes surgidos a partir do ano 2000. Participou ainda das coletâneas As baianas, com o conto A piriguete de Ondina, e 82 – uma copa, quinze histórias, com o conto Toda a arte do futebol. Temcapa_lima_trindade inédito o romance A cidade e os nomes. O  retrato ou Um pouco de Henry James não faz mal a ninguém  é  um  conto que transita em diversas tradições do gênero: relato de viagem, história de amor, realismo mágico e crônica de costumes… além de costurar fatos históricos e ficção. “Seria o encontro e o confronto de culturas. A história começa com dois brasileiros em Portugal. Por isso a brincadeira com o subtítulo [Um pouco de Henry James não faz mal a ninguém], pois o atrito entre o velho e o novo era um de seus principais temas. De uma maneira ou de outra isso acaba se referindo à forma”.

REGINALDO PUJOL F 02Reginaldo Pujol Filho, escritor portoalegrense, tem dois livros de contos publicados, Azar do Personagem e Quero ser Reginaldo Pujol Filho e é o organizador da antologia Desacordo ortográfico. Mantem o blog Por causa dos elefantes.

 

Leituras de poemas e lançamentos

20h – PAULO RIBEIRO, MIRÓ DE MURIBECA e RODRIGO GARCIA LOPES participam de leituras e lançam os livros “O passo do socorro”, “Miró até agora” e “Estúdio realidade”.

 

PAULO RIBEIRO Paulo Ribeiro: Doutor em Letras pela PUC-RS, jornalista, leciona na Universidade de Caxias do Sul. Estreou em 1989 com o romance Glaucha. Recebeu o Prêmio Henrique Bertaso por Vitrola dos Ausentes, melhor narrativa longa, em 1994, ano em que a mesma novela foi indicada para o Prêmio Açorianos de Literatura. Da estreia até o presente, além manter coluna de crônicas no jornal Pioneiro de o passo do socorroCaxias do Sul, vem consolidando sua obra – que soma 15 livros – em publicações individuais e coletivas com novelas, contos, crônicas e ensaios. Com ilustrações do próprio autor, o fio condutor de ‘O Passo do Socorro’ é o movimento que há entre o cotidiano (passo) e um possível sentido para a vida (socorro). “O socorro é a poesia. Ela vem para nos salvar. É o que sobra dessa trajetória, porque precisamos de alguma razão para estarmos aqui. E quem nos dá essa razão é a poesia”, enfatiza. Conforme Paulo, as gravuras do livro reforçam a reprodução do cotidiano que há por detrás do movimento da escrita. “Quando eu dou esse impulso, eu estou representando. Os poemas e as gravuras são uma representação da realidade”.

miró da muribecaMiró da Muribeca nasceu em 1962 no Recife, no bairro da Encruzilhada. Morador da Muribeca, escreve desde 1985 e tem 7 livros lançados:  Que descobriu azul anil (1985), Ilusão de ética (1993), Entrando pra fora e saindo pra miró até agoradentro (1995), Quebra a direita segue a esquerda e vai em frente (1997), São Paulo eu te amo mesmo andando de ônibus (2001), Poemas pra sentir tesão ou não (2002), Pra não dizer que não falei de flúor (2004). Costuma apresentar recitais por todas as esquinas.

 

rodrigo_garcia_lopesRodrigo Garcia Lopes (Londrina, PR) é poeta, compositor, tradutor e jornalista. É autor dos livros de poemas Solarium (1994), Visibilia (1996), Polivox (2001), Poemas seleciados (2001) e Nômade (2004). É Mestre em Humanidades Interdisciplinares pela Arizona State University, com tese sobre os romances de William Burroughs, e Doutor em Letras pela Universidade Federal de Santa Catarina, com tese sobre a poeta e filósofa modernista norte-ameriana Laura Riding. EM 1997 lançou Vozes & Visões: Panorama da Arte e Cultura Norte-Americanas Hoje, com 19 entrevistas com personalidades da cultura e literatura norte-americana. Como tradutor, publicou Sylvia Plath: Poemas (1990) e Iluminuras: Gravuras Coloridas, de Arthur Rimbaud (1994), ambos com Maurício Arruda Mendonça. Em 2004 traduziu e organizou os livros Minscapes: Poemas de Laura Riding (2004), O navegante (do anônimo anglo-saxão, 2004). Em 2005 publicou Leaves of Grass/Folhas de relva, de Walt Whitman e, em 2007, Ariel, de Sylvia Plath (com Cristina Macedo). Músico e compositor, em 2001 lançou o CD Polivox (independente) e nos anos seguintes se apresentou com show homônimo em várias capitais brasileiras. De 2006 a 2008 foi professor do departamento de Romance Languages da Universidade da Carolina do Norte-Chapel Hill (Estados Unidos). Em 2013 lançou seu segundo CD, Canções do Estúdio Realidade. Há onze anos edita, com Marcos Losnak e Ademir Assunção, a revista de arte e literatura Coyote. estúdio realidade = rodrigo garcia lopes“Assaltem o Estúdio Realidade e retomem o universo” – a frase de William Burroughs dá o título para o novo livro de poemas de Rodrigo Garcia Lopes. Repleto de experimentações intertextuais, Estúdio realidade reúne poemas intensos e marcantes, nos quais toma corpo uma vibrante sinfonia de estilos, dicções, ritmos e formas. “Estúdio Realidade”, “Vórtex”, “Pensagens” , “Quarto Escuro” e “24 Aforismos Sobre Poesia” são as seções em que a obra se divide, e na qual Rodrigo Garcia Lopes explora diversas formas poéticas –como o poema em prosa, o epigrama, o oríkì africano,o haicai, o poema visual. Intercalando polifonias e múltiplos sentidos, estes versos se destacam pela heterogeneidade – numa obra que se destaca pela singularidade e pelo olhar sensível do autor.

.

.

Palavraria - livros a.

.

13
maio
14

Vai rolar na Palavraria, nesta sexta, 16, Lançamento do livro Operação banqueiro, de Rubens Valente

.

ESTA SEMANA NA PALAVRARIA b.

 

16, sexta, 19h: Lançamento do livro Operação banqueiro, de Rubens Valente. (Geração Editorial)

Uma história brasileira sobre poder, chantagem, crime e corrupção. A incrível história de como o banqueiro Daniel Dantas escapou da prisão com o apoio do Supremo Tribunal Federal e virou o jogo, passando de acusado a acusador.

operação banqueiroUm acontecimento inusitado assombrou o Brasil em 2008: o poderoso e enigmático banqueiro Daniel Dantas foi preso pelo delegado federal Protógenes Queiroz, por ordem do juiz Fausto De Sanctis, e conduzido algemado para uma cela comum, acusado de vários crimes. Mas logo depois foi libertado, por ordem do então presidente do Supremo Tribunal Federal — STF, Gilmar Mendes. As provas da investigação foram anuladas. O delegado foi afastado de seu trabalho e elegeu-se deputado. O juiz deixou sua vara e assumiu o cargo de desembargador no Tribunal Regional Federal, mas em área sem relação com crimes financeiros, sua especialidade. O que teria acontecido? Neste livro, que se lê como um thriller policial, o repórter investigativo Rubens Valente, da Folha de S. Paulo, desvenda toda a história, com a revelação de aspectos inéditos, documentos e segredos.

rubens valenteRubens Valente, 43 anos, é um dos maiores jornalistas investigativos do país. Repórter desde 1989, cobriu diversos escândalos e investigações federais, como a CPI dos Correios, em 2005, e várias operações da Polícia Federal. Trabalha atualmente na sucursal da Folha de S. Paulo em Brasília. Recebeu o Prêmio Esso de Reportagem em 2001, duas vezes o Prêmio de Excelência Jornalística da SIP (Sociedade Interamericana de Imprensa), em 2012 e 2013, nas categorias Jornalismo de Profundidade e Relações Interamericanas, duas vezes o Grande Prêmio Folha de Jornalismo (2001 e 2010) e o prêmio do Movimento de Justiça e Direitos Humanos do Rio Grande do Sul em 2011. Participou do projeto “Folha Transparência”, que em 2013 recebeu o Prêmio Esso de Contribuição à Imprensa. Recebeu três menções honrosas do Prêmio Latinoamericano de Jornalismo de Investigação do IPYS (Instituto de Prensa y Sociedad), nos anos de 2004, 2011 e 2012, e uma menção honrosa do Prêmio Vladimir Herzog. É formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

.

.

Palavraria - livros a.

.

 

10
maio
14

Programação de 12 a 17 de maio de 2014

.

ESTA SEMANA NA PALAVRARIA b.

De 12 a 17 de maio de 2014

Programação sujeita a alterações. Consulte para confirmar: 32684260 ou palavraria@palavraria.com.br

.

13, terça, 19h: Lançamento do livro Triller Andino, de Marcelo Almeida.

thrller_3DUma trama recheada de corpos no asfalto e sangue na areia, o cenário − inóspito e árido −, é isolado do resto do mundo pela Cordilheira dos Andes. Nesta road novel de contornos tarantinescos, um homem desconhecido apodera-se de um objeto de grande valor, alvo de inúmeras ambições, desencadeando assim uma série de eventos que mobilizará forças maiores que o Deserto do Atacama.

Marcelo de Abreu Almeida nasceu em fins de 1986 e desde cedo foi apresentado ao mundo dos livros e das histórias, com o qual tanto aprendeu e dialogou durante sua formação infantil e, em especial, adolescente. Talvez por isso, na hora de decidir o que fazer na faculdade, tenha divagado entre tantos cursos distintos (como Publicidade e Direito) e só sossegou quando entrou para as Letras, formando-se em 2012. Além disso, fez diversos cursos de escrita criativa, entre os quais a oficina do professor Charles Kiefer, onde este texto foi apresentado pela primeira vez. Atualmente é tradutor de livros e de jogos de videogame, e espera iniciar aqui também uma longa carreira literária.

.

.

Palavraria - livros a.

.

16, sexta, 19h: Lançamento do livro Operação banqueiro, de Rubens Valente. (Geração Editorial)

Uma história brasileira sobre poder, chantagem, crime e corrupção. A incrível história de como o banqueiro Daniel Dantas escapou da prisão com o apoio do Supremo Tribunal Federal e virou o jogo, passando de acusado a acusador.

operação banqueiroUm acontecimento inusitado assombrou o Brasil em 2008: o poderoso e enigmático banqueiro Daniel Dantas foi preso pelo delegado federal Protógenes Queiroz, por ordem do juiz Fausto De Sanctis, e conduzido algemado para uma cela comum, acusado de vários crimes. Mas logo depois foi libertado, por ordem do então presidente do Supremo Tribunal Federal — STF, Gilmar Mendes. As provas da investigação foram anuladas. O delegado foi afastado de seu trabalho e elegeu-se deputado. O juiz deixou sua vara e assumiu o cargo de desembargador no Tribunal Regional Federal, mas em área sem relação com crimes financeiros, sua especialidade. O que teria acontecido? Neste livro, que se lê como um thriller policial, o repórter investigativo Rubens Valente, da Folha de S. Paulo, desvenda toda a história, com a revelação de aspectos inéditos, documentos e segredos.

rubens valenteRubens Valente, 43 anos, é um dos maiores jornalistas investigativos do país. Repórter desde 1989, cobriu diversos escândalos e investigações federais, como a CPI dos Correios, em 2005, e várias operações da Polícia Federal. Trabalha atualmente na sucursal da Folha de S. Paulo em Brasília. Recebeu o Prêmio Esso de Reportagem em 2001, duas vezes o Prêmio de Excelência Jornalística da SIP (Sociedade Interamericana de Imprensa), em 2012 e 2013, nas categorias Jornalismo de Profundidade e Relações Interamericanas, duas vezes o Grande Prêmio Folha de Jornalismo (2001 e 2010) e o prêmio do Movimento de Justiça e Direitos Humanos do Rio Grande do Sul em 2011. Participou do projeto “Folha Transparência”, que em 2013 recebeu o Prêmio Esso de Contribuição à Imprensa. Recebeu três menções honrosas do Prêmio Latinoamericano de Jornalismo de Investigação do IPYS (Instituto de Prensa y Sociedad), nos anos de 2004, 2011 e 2012, e uma menção honrosa do Prêmio Vladimir Herzog. É formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

.

.

Palavraria - livros a.

.

17, sábado, 17h: Lançamento do livro Sofia e Mônica, de Leonardo Brasiliense (EDELBRA).

sofia e mônicaEsta é a história da Sofia e da Mônica, mais ou menos como elas contaram ao autor. Num mundo cheio de tentações, manter uma amizade verdadeira nem sempre é fácil, exige esforço de lado a lado, porque ninguém é perfeito, e é preciso lidar tanto com as nossas falhas quanto com as do outro. As Sofias e Mônicas de verdade podem ter muitas caras. São jovens que estão descobrindo as muitas relações que se pode travar pela vida e aprendendo a fazer as escolhas mais adequadas. O autor Leonardo Brasiliense, gaúcho de São Gabriel, também fez as fotos que ilustram o livro.

leonardo brasilienseLeonardo Brasiliense nasceu em 1972, em São Gabriel (RS). Formado em medicina pela Universidade Federal de Santa Maria, trabalha na Receita Federal. Publicou O desejo da Psicanálise, Meu sonho acaba tarde, Desatino, Adeus conto de fadas (Prêmio Jabuti de melhor livro juvenil em 2007), Olhos de morcego, Whatever e Três dúvidas (Prêmio Jabuti em 2011)

 

 

.

.

Palavraria - livros a.

.




julho 2017
S T Q Q S S D
« out    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

Categorias

Blog Stats

  • 612,518 hits
Follow Palavraria – Livros & Cafés on WordPress.com

%d blogueiros gostam disto: