Posts Tagged ‘psicanálise

23
out
16

Vai rolar na Palavraria, nesta sexta, 28, Lançamento do livro O cheiro do desejo em cena.

.

ESTA SEMANA NA PALAVRARIA b

.

28, sexta, 18h: Lançamento do livro O cheiro do desejo em cena – bate-papo com os autores e sessão de autógrafos.

10-28-o-cheiro-do-desejoO livro aborda o entendimento de três filmes: Perfume – a história de um assassino, O cheiro do ralo e Perfume de mulher, a partir da metapsicologia freudiana.

Autores:

 

.

Palavraria - livros a.

.

13
abr
16

Vai rolar na Palavraria, nesta sexta, 15, De que crise falamos quando falamos em crise? Com Ana Elisa Amarante e Augusto Pinho De Bem. Sarau PsicanArte – Diálogos entre a psicanálise e outros mundos, promoção do ESIPP.

.

ESTA SEMANA NA PALAVRARIA b

.

15, sexta, 19h: De que crise falamos quando falamos em crise? Com Ana Elisa Amarante e Augusto Pinho De Bem. Sarau PsicanArte – Diálogos entre a psicanálise e outros mundos, promoção do ESIPP.

sarau psicanarte 2016

.

Palavraria - livros a.

.

01
out
13

Aconteceu na Palavraria, nesta segunda, 30, o lançamento do livro O duplo: um estudo psicanalítico, de Otto Rank

.

aconteceu

.

Aconteceu nesta segunda, 30, o lançamento do livro O duplo: um estudo psicanalítico, de Otto Rank com o debate O duplo na literatura e no cinema, com Ana Maria Lisboa de Mello e Sissa Jacoby, coordenadoras do projeto e responsáveis pela edição do livro.

.

o duplo 01.

o duplo 02o duplo 03 o duplo 04 o duplo 05.

.

.

.

.

.

o duplo 06o duplo 07 o duplo 08 o duplo 09.

.

.

.

.

.

 

Palavraria - livros c.

 

26
set
13

Vai rolar na Palavraria, nesta segunda, 30, lançamento do livro O duplo, de Otto Rank. Debate O duplo na literatura e no cinema, com Ana Maria Lisboa de Mello e Sissa Jacoby

program sem

.

30, segunda, 19h: Lançamento do livro O duplo, de Otto Rank (Editora Dublinense). Debate O duplo na literatura e no cinema, com Ana Maria Lisboa de Mello e Sissa Jacoby.

o duplo

Livro do psicanalista austríaco, que estava fora de catálogo no Brasil desde 1939, ganha edição nova com tradução direto do alemão

Otto Rank foi, depois de Freud, o mais prolífico entre os primeiros psicanalistas, com dezenas de trabalhos publicados. Entre eles, está O duplo: um estudo psicanalítico, em que investiga a duplicidade do Eu na literatura, no cinema ou em outras artes. O livro estava fora de catálogo no Brasil desde 1939.

O duplo: um estudo psicanalítico, publicado pela Dublinense, terá lançamento em Porto Alegre no dia 30 de setembro de 2013 (segunda-feira), a partir das 19h, na Palavraria, onde acontecerá o debate “O duplo na literatura e no cinema”, com a presença das professoras da PUCRS Ana Maria Lisboa de Mello e Sissa Jacoby, coordenadoras do projeto e responsáveis pela edição do livro.

A partir de um verdadeiro passeio literário, passando por autores como E. T. A. Hoffmann, Edgar Allan Poe, Fiodor Dostoiévski, Adelbert von Chamisso e Oscar Wilde, entre inúmeros outros, Otto Rank conduz os seus leitores pelos caminhos do problema do duplo. Analisando obras e autores e fundamentando a sua argumentação em um amplo apoio teórico proporcionado pela obra dos estudiosos do tema, tanto nos campos da antropologia, da história dos mitos, da história do folclore e das superstições, mas, sobretudo, da psicanálise, o autor demonstra que o tema do duplo encontra-se intimamente referido à primordial relação que o homem mantém com as questões da vida e da morte.

No texto de apresentação, a psicanalista Maria Alice Timm de Souza explica a importância do livro. “Rank, que participou do círculo mais próximo de Freud por aproximadamente vinte anos, construiu, em O duplo, uma obra fundamental não só para os estudiosos da literatura e da psicanálise, como também para o leitor interessado em conhecer um tema que comparece sob múltiplas formas na arte e na vida”.

Gradiva Editorial é uma coleção de obras, com curadoria de Ana Maria Lisboa de Mello, dedicadas a recuperar peças fundamentais da literatura e da teoria, sempre em edições comentadas. O duplo inaugura a coleção.

otto rankOtto Rank, psicólogo, psicanalista, escritor e professor, nasceu em Viena, Áustria, em 1884. Proveniente de uma infância pobre, tornou-se serralheiro enquanto o irmão estudava Direito, pois os pais não podiam pagar a universidade para os dois ao mesmo tempo. Rank foi desde cedo um leitor incansável, tendo se aprofundado em filosofia e literatura. Por volta de 1900, leu A interpretação dos sonhos e foi apresentado a Freud. O brilhantismo do jovem logo despertou a simpatia de Freud, que o ajudou a prosseguir nos estudos, e resultou na sua nomeação como primeiro secretário da Sociedade Psicanalítica de Viena em 1906. Rank obteve o doutorado na Universidade de Viena, em 1912, sendo o primeiro a fazê-lo com uma tese de assunto psicanalítico. Nesse mesmo ano, fundou a Imago — publicação especializada na aplicação da psicanálise às ciências culturais — e, em 1919, com Freud, o Internationaler Psychoanalytischer Verlag, do qual passou a ser o maior responsável. A ruptura com o mestre, depois de 20 anos de parceria, o levou à França (1926) e, mais tarde, aos Estados Unidos (1935), onde se fixou definitivamente até sua morte, que ocorreu em 1939, em Nova Iorque.

A editora – A Dublinense foi criada em 2009 com o objetivo de formar um catálogo eclético. Os valores que norteiam a editora são o apuro com a palavra e o cuidado gráfico. A linha editorial da Dublinense está direcionada principalmente para os gêneros tradicionais da literatura de ficção, mas compreende também livros de negócios, ensaios, relatos e esportes. Seus sócios e idealizadores são Gustavo Faraon e Rodrigo Rosp.

LANÇAMENTO DE O DUPLO, com debate.
Data e horário: 30 de setembro de 2013 (segunda-feira), a partir das 19h.
Local: Palavraria (Rua Vasco da Gama, 165 | Bom Fim | Porto Alegre | RS).
Preço: R$ 37,90 (exemplar) / Formato: 13 x 19 cm / 160 páginas

.

.

.

 

31
out
12

A crônica de Guto Piccinini: Sobre a morte (1)

.

.

Sobre a morte I, por Guto Piccinini

.

 

A morte é sempre uma experiência traumática. Configura um acontecimento de proporções que extrapolam as palavras e ao possível de ser simbolizado. Não podemos tomar a morte apenas como um corpo que tomba, uma vez que este corpo é permeado por uma sequência de discursos, uma linha que costura nossa existência (e como a vamos concebendo) e a todos a sua volta. Enlace “místico”, recheado de desejo e suposições. A morte, pois, reconfigura de modo trágico esta linha simbólica em que nos enlaçamos, e cujas consequências apenas compreendemos um tempo após o acontecimento em si. Denominamos “luto” esta passagem, este movimento de ir e vir compondo novas redes simbólicas sobre esta existência, ou talvez possamos denominar esta nova fase como uma “não-existência”. Existência ausente, como uma fantasia bem elaborada e que compõe novos sentidos, novas histórias. Ao passo que algo sempre permanece, algo sempre nos escapa.

Falar sobre a morte requer também que deslizemos do privado ao público, oscilando entre estes campos encontros possíveis. No primeiro caso, uma vida que esvai carrega consigo um mundo, uma história. São olhares que se perdem no tempo. Como colocamos acima, não há palavra que signifique o que é perder alguém querido, alguém que nos faça sentido. Literalmente perde-se algum sentido (simbólico e afetivo). Já no segundo caso, a relação se distingue exponencialmente: enquanto o acontecimento em si enlaça um corpo a seu destino traçado e incontornável, a ordem discursiva carrega como um furacão os sentidos sentidos. Argumenta-se que a ossada de um rei de nada se distingue de seu súdito mais miserável. Em vida, no entanto, há vidas mais matáveis do que outras. Isto, ao menos, é aquilo que legitimamos.

Sem dúvida, existem muitos modos de se encarar a morte. Um, que me guarda grande estima, carrega consigo uma desvinculação entre a noção de “vida” com um traço “biológico”. Um corpo, por esta via, será apenas um dos modos pelo qual a existência marca sua passagem. A vida enquanto corpo tem como um único direcionamento o existir, “independente da qualidade desta existência”. Não seria esta uma possibilidade de considerarmos a morte uma potência de vida? Não seria esta uma forma de nos debatermos com a vida sem potência? Michel Foucault é um autor marcado por seus estudos sobre o “poder”. Ao contrário da concepção mais corrente, do poder enquanto uma substância que as pessoas detém, marca o poder enquanto uma relação. É no entre-meio que as relações de poder se efetuam. Sai do “poder-forma”, e afirma um “poder-força”. No transcorrer de seus estudos, demarca a passagem de um poder da Soberania, no qual um rei detém o poder sobre a morte de seus súditos, para um poder Disciplinar, onde a relação de poder exerce sobre as vidas. Deste modo, o poder não mais se exerce marcado pelo “deixe viver, faz-se morrer”, articulando um “deixe morrer, faz-se viver”. Imprecisão esquemática, mas operativa quanto as formas: a vida passa a ser um ato político, enquanto a morte, um ato de resistência.

.

Guto Piccinini, psicólogo, mestre em psicologia social e frequentador da Palavraria. Atualmente experimentando palavras.

.

.

08
ago
12

A crônica de Guto Piccinini: Freud explica

.

.

Freud explica, por Guto Piccinini

.

 

Em minhas andanças pelo mundo pós formação em psicologia, não raro escuto a expressão chistosa “Freud explica”, mito em torno deste fenômeno judeu/austríaco/sexual chamado Sigmund Freud. Com o charuto em punho, o nariz nervoso e a genialidade de poucos, direciona especial atenção às relações produzidas na sociedade vitoriana, no caso das mulheres, sintoma de paralisias enigmáticas e gritos histéricos em suas fantasias incestuosas. Já no caso dos homens, do alto de sua soberba, o acúmulo de bens e as dificuldades de sustentação diante de um quadro levemente inclinado para a esquerda. Ousou-se a escuta (e já sabemos o quanto isso não será pouco). “Freud explica”. Chamam-me a atenção os sentidos deste dito. Como se pudesse existir algo a ser explicado! Pelo menos seria esta a esperança, não?

De Viena ao Brasil, tudo indica não haver nenhuma relação de necessidade entre os efeitos da produção teórica freudiana e as variadas áreas de conhecimento dentro, ou fora, da psicologia: haverá sempre algo por detrás e obscuro que poderá ser “descoberto”. Um desconhecido estranho. Um outro que nos habita. No caso de nós, profissionais da psicologia, sempre ganharemos um livrinho maroto sobre os feitos do velho lobo do mar, ou quem sabe uma biografia sobre a influência de sua carreira no estudo do inconsciente. O diploma não-pendurado na parede de meus aposentos confirma esta ironia: a psicologia é quase um sinônimo de Freud, e como ele explica, deve ter algo que eu explico também! Quem será este outro que me habita afinal de contas?!

Retomemos 1900. Freud publica o texto “A Interpretação dos Sonhos”, texto que futuramente seria considerado o texto inaugural da psicanálise. Em nosso olhar atual, presencia-se o advento de um outro modo de se entender o sujeito, fazendo frente ao cogito cartesiano, na medida em que a razão já não será o centro da subjetividade humana. “Penso, logo existo”, dará uma pequena porção ao “Sou onde não penso”, e a assunção do sujeito do inconsciente. Seremos um além desconhecido e com efeitos cotidianos, vide os casos de histeria estudados pelo autor, cuja sintomatologia biológica não encontra respaldo somente no corpo paralisado. Estranho e tão próximo. Nada mais justo a presença e a transcorrência de uma defesa chistosa que aponta para este desconhecido em nós. “Quem mexeu no meu queijo?!!”, indaga o defensor lógico do ordenamento ordenado e da razão precisa. Para todo o restante, Freud explica.

.

Guto Piccinini, psicólogo, mestre em psicologia social e frequentador da Palavraria. Atualmente experimentando palavras.

.

.

05
jul
12

Aconteceu na Palavraria, nesta quarta, 4/06: Lançamento do livro Novos tempos, velhas recomendações

.

.

Aconteceu na Palavraria, nesta quarta, o lançamento do livro Novos tempos, velhas recomendações – Sobre a função analítica (1912-2012) Freud 100 anos depois, de Ignácio Alves Paim Filho e Lísia Coelho Leite. Fotos do evento.

.


.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

 

.


.

.

18
maio
12

Aconteceu na Palavraria, nesta quinta, 17/05: Lançamento do livro Ponto Contraponto, de Luiz-Olyntho Telles da Silva

.

.

17, quinta, 19h: Lançamento do livro Ponto contraponto, de Luiz-Olyntho Telles da Silva e apresentação de A águia e o Simurgh, de Cesar Leal. Comentários sobre as obras com Luiz-Olynto e Hilda Simões Lopes.

.


.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

16
maio
12

Vai rolar na Palavraria, nesta quinta, 17/05: Lançamento do livro Ponto contraponto e apresentação do livro A águia e o Simurgh

program sem

.

17, quinta, 19h: Lançamento do livro Ponto contraponto, de Luiz-Olyntho Telles da Silva e apresentação de A águia e o Simurgh, de Cesar Leal. Comentários sobre as obras com Luiz-Olynto e Hilda Simões Lopes.

 Ponto Contraponto examina, detalhadamente, as relações entre o significante e o discurso na fala do sujeito em análise, sob transferência, não tanto do ponto de vista da Linguística, mas antes da Linguisteria, tal como proposta por Jacques Lacan. Entre outras minúcias, a partir de uma metáfora de Lacan, examina as dificuldades inerentes à tradução de um verso de Baudelaire, no poema LXII.

Luiz-Olyntho Telles da Silva é psicanalista e escritor, membro fundador da Biblioteca Sigmund Freud, espaço de formação e interlocução psicanalítica. Convidado por diversas instituições psicanalíticas, já apresentou seus trabalhos, além de Porto Alegre, em Florianópolis, São Paulo, Rio de Janeiro, Niterói, Vitória, Brasília, Salvador, Recife, Buenos Aires, Montevidéu, Santiago, Barcelona, Canes, Ville de Grace, Paris e Nova Iorque. No Brasil, publicou Pagar com palavras ([Organizador] Movimento, 1984), Da miséria neurótica à infelicidade comum (Movimento, 1989 [1ª ed.] e 2009 [2ª ed. revista, corrigida e ampliada]), FREUD / LACAN: O desvelamento do sujeito (AGE, 1999), Leituras (AGE, 2004), e estreou na literatura com o livro de contos Incidentes em um ano bissexto (EDA, 2009). Publica também na página: www.tellesdasilva.com

 

Hilda Simões Lopes Costa. Nascida em Pelotas, é bacharel em Direito, mestre em Sociologia pela Universidade de Brasília e professora universitária aposentada pela Universidade Federal de Pelotas. Fez oficinas de Criação Literária com Luiz Antonio de Assis Brasil, em Porto Alegre e no Centro Cultural de Las Americas, no México. Há 12 anos, ministra oficina de criação para jovens e escritores em Pelotas e, mais recentemente, em Porto Alegre. Em 2009, foi patrona de Feira do Livro de Pelotas. Publicou os livros Do Abandono à DelinqüênciaSenhoras e Senhoritas, Gatas e Gatinhas (ensaios sociológicos); A Superfície das Águas, prêmio Açorianos de Literatura, 1998, pelo Instituto Estadual do Livro; Cuba, Casa de Boleros, conjunto de crônicas,  finalista prêmio açorianos, pela AGE; Um Silêncio Azul, AGE; o romance A Anatomia de Amanda, pela editora Juruá, onde a autora analisa a obra ‘A Paixão Segundo GH’, de Clarice Lispector e  o livro didático Manual de Criação Literária, pela Editora Baraúna. Atualmente desenvolve na Palavraria o seminário Personagens de Clarice.

– – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –

A Águia e o Simurgh é uma edição crítica dos estudos do autor sobre A Divina Comédia, de Dante. Em um deles, estabelece uma discussão com Jorge Luis Borges que havia comparado a Águia, do Canto XVIII, do Paraíso, com o Simurgh, do poeta persa Farid al-Din Attar, apontando-lhe outras veredas. Organizado por Luiz-Olyntho Telles da Silva, o livro contém ainda um poema inspirado em A Divina Comédia, além de um estudo crítico de Weydson Barros Leal, seguido de um ensaio de Dulcinea Santos no qual apresenta as ideias atuais do autor sobre Dante.

César Leal é poeta e crítico de poesia. Professor Emérito da Universidade Federal de Pernambuco. Por seu estudo sobre Dante foi condecorado pelo presidente Sandro Pertini com a Ordem ao Mérito da República Italiana, no grau de Cavaliere. No Conselho Federal de Cultura, em 1988, foi autor do parecer que resultou na criação, pelos governos de Portugal e do Brasil, do prêmio Luís de Camões. Durante temporada nos Estados Unidos tornou-se o primeiro poeta da língua portuguesa a gravar ao vivo seus poemas para a Biblioteca de Poesia da Universidade de Harvard. Na Universidade Federal de Pernambuco fundou os cursos de Pós-Graduação – Mestrado e Doutorado – em Ciência da Literatura e Linguística. Em 1970, ganhou o prêmio nacional de poesia da Fundação Cultural do Distrito Federal, em Brasília. Em 2006, ganhou a maior láurea da Academia Brasileira de Letras, o prêmio Machado de Assis, por conjunto de obras, e, no ano seguinte, o prêmio Ars Latina, conferido pela Associação dos Escritores da Romênia, presidida por George Propescu. Pertence a The Society Poetry (Londres) e à UBENY (Nova Iorque). Como editor do Suplemento Literário do Diario de Pernambuco e da Revista Estudos Universitários lançou os poetas da chamada Geração 65. Indicado pela UNESCO e pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, escreveu o capítulo 46, vol. II, da grande História das culturas literárias latino-americanas, sobre o Recife como centro cultural da América. A obra foi publicada, em 2004, pela Oxford University Press. Membro da Academia Pernambucana de Letras.

PONTO CONTRAPONTO Significante e discurso na Psicanálise
Autor: Luiz-Olyntho Telles da Silva
Editora: HCE, Porto alegre, 2012 – 103p.
12,5 x 20cm – ISBN: 978-8565026-01-7

– – – – – – – – – – – – – – – – –

A ÁGUIA E O SIMURGH imagens poéticas
Autor: César Leal
Editora: HCE, Porto Alegre, 2011 – 103 p.
11,3 x 19,4cm – ISBN: 978-85-65026-00-0

.

.

 




setembro 2020
S T Q Q S S D
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930  

Categorias

Blog Stats

  • 759.444 hits
Follow Palavraria – Livros & Cafés on WordPress.com

%d blogueiros gostam disto: