Arquivo para julho \31\UTC 2009

31
jul
09

Programação de 03 a 08 de agosto

program sem

03 a 08 de agosto

 

03, segunda, das 19 às 21h: Início da Oficina de escrita científica, com Ana Cláudia Santos Meira. De 03 de agosto a 09 de novembro, às segundas-feiras. INSCRIÇÕES ABERTAS – 9123.0965

A Oficina de Escrita é uma proposta de espaço de encontro e de interlocução para todas as pessoas que estão envolvidas com a atividade de escrever, como parte de sua formação profissional.
Elaborar trabalhos científicos, notadamente, provoca uma série de sentimentos que se põem em marcha em cada uma das etapas de elaboração de um texto. Estes sentimentos podem se manifestar no início do trabalho, no sentar para escrever, na escolha do tema e do foco, na relação com a folha em branco, na construção das frases e dos parágrafos, na revisão, no término e na entrega de nossa produção, na avaliação e na opinião alheia sobre ela…
ANA MEIRAÉ para buscar dar conta destas reações que a Oficina de Escrita se oferece para reflexão e discussão dos diversos momentos do processo de criação de um texto científico, abrindo a possibilidade de percebermos o que é mobilizado em cada um deles.
A partir deste conhecimento, podemos compreender quais os significados emocionais que envolvem o exercício sistemático da escrita, que facilitam ou dificultam o rico terreno de produção textual.
Através de diversas técnicas e exercícios de escrita, na Oficina, colorimos a escrita científica com um aspecto lúdico em sua produção, e encontramos – nesta intersecção – a possibilidade de enxergar o científico como algo criativo e leve, mantendo o rigor, a clareza e a profundidade.

Objetivos:

  • Compreender as motivações internas que influenciam no tipo de relação que cada um tem com a escrita científica
  • Refletir sobre o significado das resistências para com o escrever
  • Construir uma relação de proximidade e liberdade com a escrita científica
  • Aprimorar os conhecimentos necessários para elaborar um texto científico de qualidade
  • Aperfeiçoar a capacidade argumentativa do trabalho científico
  • Desenvolver uma capacidade de avaliação crítica com relação ao próprio texto e dos colegas

Atividades propostas:

  • Exposição e discussão sobre o significado da escrita na formação profissional de cada um
  • Discussão sobre as motivações emocionais dos entraves e das resistências para com o escrever
  • Apresentação de pequenos textos reflexivos sobre o tema da escrita científica
  • Realização de exercícios livres de escrita científica
  • Técnicas de liberação e aproximação com relação à escrita científica
  • Produção de um artigo científico

Formato da oficina:

Doze encontros de uma hora e meia cada um

Carga horária: 24 horas/aula

Valores:  

ANA CLÁUDIA MEIRAMinistrante: Ana Cláudia Santos Meira é Doutora em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica do RS. Psicoterapeuta de Adultos e Supervisora em Psicoterapia, atualmente é professora do ESIPP (Estudos Integrados de Psicoterapia Psicanalítica). Autora do Livro “A Escrita Científica no Divã”.

 

Contato: anacmeira@uol.com.br ou pelo telefone (51) 9123.0965

 

 

05, quarta, das 15h30 às 17h30: Palestra Visões e revisões – Um olhar sobre a arte contemporânea, com Marcos Diestel.

HISTÓRIA DA ARTE_MARCOS DIESTEL

A palestra aborda as relações entre os movimentos artísticos da primeira metade do século com o desenvolvimento posterior. A palestra é gratuita e antecipa o curso que será realizado em agosto.
Maiores informações na Palavraria, Rua Vasco da Gama, 165 ou pelo fone: 3268.4260.

foto2Marcos Diestel é arquiteto e artista plástico.

 

 

 

 

MARCADOR 01_LIVROS

Anúncios
27
jul
09

Dica de leitura, por Claudia Lopes

dicas leitura

Dica de Cláudia Lopes

Título: O mal-estar na civilização
Autor: Sigmund Freud
Editora: Imago
Ano: 1987 (ver nota)

MAL ESTAR DA CIVILIZAÇÃOO livro não é novo, mas de 1929 até hoje acho que ninguém falou do assunto com tanta propriedade. Ler “O Mal-Estar na Civilização” foi uma grande experiência este ano para mim. Considerado pelo professor Voltaire Schilling, em um artigo publicado na internet, como “um ensaio sombrio de Freud sobre os destinos da humanidade”, para uma estreante na área como eu, o livro é marcante por ser um holofote sobre nossas cabeças, nossas angústias, nossas buscas humanas. Ele fala sobre a condição do homem como “animal domesticado” pela cultura, sobre o resultado da repressão aos nossos instintos, sobre a busca da tão sonhada felicidade e sobre a dupla que faz a rima mais famosa das canções: amor e dor. A edição que li faz parte da coleção completa das obras de Sigmund Freud, Editora Imago, 1987, tradução de Jayme Salomão. Sombrio, sim, mas maravilhoso.

Claudia Lopes é publicitária e professora.

Nota: O mal-estar da civilização encontra-se normalmente editado no volume XXI da Edição Standard Brasileira das Obras Completas de Sigmund Freud. A edição mais recente deste volume e mais facilmente encontrável no mercado, de 2006, aparece com o título Futuro de uma ilusão/Mal-estar da Civilização e outros trabalhos. O volume inclui, juntamente com esses dois trabalhos, outros textos de Freud, entre os quais: O humor; Uma experiência religiosa; Dostoievski e o parricídio; Alguns sonhos de Descartes – uma carta a Maxime Leroy; O prêmio Goethe; Tipos libidinais; Sexualidade feminina; Breves escritos.

Um pouquinho mais sobre Freud

FREUD 02Sigmund Freud (1856-1939). Médico neurologista e fundador da psicanálise, apresentou ao mundo o inconsciente e explorou a mente humana. Ficou conhecido como um dos maiores pensadores do século XX e como o inspirador de muitas das teorias psicanalíticas aplicadas atualmente. Explorou a psique, desenvolveu uma teoria de personalidade, estudou histeria, neuroses e sonhos, entre tantos trabalhos.

Veja também:

Freud Museum London:
http://www.freud.org.uk/ (em inglês)

Página de Freud: http://www.geocities.com/mhrowell/paginadefreud.html

MARCADOR 01_LIVROS

27
jul
09

Programação de 27 de julho a 1º de agosto

program sem

01, sábado, das 18h30 às 21h: Qual é a do Ferlinghetti?, bate-papo sobre a obra do escritor, com Ricardo Silvestrin, Marcelo Noah e Eduardo Bueno (Peninha). Projeto Qual é?, criação de Ricardo Silvestrin, produção de Fernando Ramos (Jornal Vaia)

A poesia de Lawrence Ferlinghetti numa conversa entre três leitores do poeta beat. Eduardo Bueno vai falar sobre a sua experiência de traduzir e  conhecer pessoalmente o poeta americano. Marcelo Noah, que tem Ferlinghetti como um dos seus bruxos, anuncia uma surpresa que está preparando para revelar no encontro. E o poeta Ricardo Silvestrin pergunta: qual é a do Lawrence Ferlinghetti?

SILVESTRIN 02 Ricardo Silvestrin lançou 12 livros. Os mais recentes são “O Menos Vendido”, poesia, “Play”, contos, “Transpoemas”, infantil de poesia. É também músico da banda os poETs. É colunista do jornal Zero Hora. Apresenta na rádio Ipanema FM o programa Transmissão de Pensamento. Recebeu por 5 vezes o prêmio Açorianos de Literatura.
Contato: silvestrin@uol.com.br

EDUARDO BUENO 01Eduardo Bueno é jornalista, escritor, editor e tradutor. Fascinado por história brasileira, consagrou-se como um autor talentoso, capaz de imprimir um ritmo moderno e original à narrativa de episódios históricos. Publicou A Viagem do Descobrimento e Náufragos, Traficantes e Degredados, entre outros. Seu livro A Viagem do Descobrimento ganhou o prêmio Jabuti em 1999.
Contato: b.ideias@terra.com.br

MARCELO NOAHPoeta pós-contemporâneo, Marcelo Noah foi acusado de envolvimento no “I Congresso de Poesia Totalitária – Algonauta Navepoesia Galacto-canibal”, bem como da difusão do programa de rádio “Clara Crocodilo Show!”. Lançou em 2006 o CD “Trinta em Transe”, apanhado da poesia no sul do Brasil e organizou o primeiro Slam de Poesia do país. No cinema, dirigiu o curta-metragem “Mel do Zé”, que cobre uma noite de prazeres de Zé Celso Martinez em Porto Alegre. Atualmente mantém atividades mais-que-literárias junto ao grupo “Nave Vazia” e à rádio Ipanema.
Contato: marcelonoah@gmail.com

MARCADOR 01_LIVROS

24
jul
09

Aconteceu na Palavraria: Bando lança Polichinello 10

Quinta-feira passada, 16, eu conversava no balcão da cafeteria com o paraense Marcelo Azevedo, filósofo e ensaísta, que andava por Porto Alegre divulgando o último número da revista de cultura Polichinello. Foi quando um bando de jovens chegou e alegremente instalou-se Palavraria. Era o pessoal do autodenominado BOP – Bando de Orientação de Pesquisa, grupo de jovens estudantes do Programa de Pós-Graduação em Educação da Ufrgs, coordenados pela professora Sandra Mara Corazza. Chegavam para animar o lançamento da revista.  O que teria o Bando a ver com a revista?

REVISTA POLICHINELLO 10Vamos por partes. A revista de cultura Polichinello é de Belém do Pará, tem periodocidade trimestral e é totalmente independente. Editada por Nilson Oliveira e Ney Ferraz Paiva, circula pelo Brasil e por outros países distribuída  basicamente pelos autores e colaboradores. A ênfase é em artigos/ensaios/poesias inéditos, mas também rolam textos de autores ‘maiores’, dependendo da temática de cada edição. A mais recente, de número 10, toma por base o conceito de rizoma, tal como é proposto por Gilles Deleuze e Félix Guattari (o título de capa deste número é Por uma escrita rizomática), e conta com textos de Daniel Lins e de Michel Foucault, entre outros autores do Brasil e de fora.
Pois desta edição consta também um artigo de Cristiano Bedin da Costa e Marcele Pereira da Rosa – adivinhem de onde: pois é, daqui mesmo de Porto Alegre, por acaso componentes do Bando.

P1070110

O caso é que, como vocês já devem ter deduzido, o Bando juntou dois mais dois e, aproveitando a presença do Marcelo Azevedo entre nós, bolou um evento na Palavraria para marcar o lançamento da revista em Porto Alegre. O músico Edu Pacheco – participante do Bando – deu início aos trabalhos com uma apresentação musical e, após a apresentação da revista, feita pelo Marcelo, seguiu-se uma roda de leitura com artigos da Polichinello e textos do pessoal do BOP (todos eles mestrandos e doutorandos na linha de pesquisa Filosofia de Diferença e Educação, sob a orientação da Professora Sandra).

 POLICHINELLO 10 01

Belo momento nos proporcionaram o Marcelo, a professora Sandra e  a gente do Bando. Fica o nosso convite para que voltem sempre.  

Encerro esta nota com um texto de Juliano Pessanha, extraído da Polichinello 10. 

Um abraço do Luiz Heron

Experiência escolar III
Juliano Pessanha 

Diálogo psicoteológico
Professor: Acontecimentos afetando um corpo dentro do espaço e do tempo: chamo isso de vida humana.
Menino: Acho que entendi. Vida humana é o finito de ter lugar e tempo e acontecer na forma de uma historinha?
Professor: Sim. Muito bem!
Menino: Mas eu entro e sinto a história das pessoas e não vivo nenhuma. Acho que não tenho tempo e nem mesmo corpo. Sou ilimitado.
Professor: Então está querendo me dizer que é deus?
Menino: Não. Eu estou querendo te dizer que deus é um garoto desolado.

Links:
Revista Polichinello: http://www.polichinello2004.blogger.com.br/ 
BOP: http://fantasiasescritura.blogspot.com/

A revista Polichinello 10 encontra-se à venda na Palavraria por R$ 10,00.

MARCADOR 01_LIVROS

22
jul
09

Aconteceu na Palavraria: bate-papo com Ademir Assunção

ADEMIR_COYOTE 19 01O poeta, editor e agitador cultural Ademir Assunção – paulista de Araraquara e atualmente morador de São Paulo – andou em Porto Alegre na semana passada. Não veio para agitar – segundo suas próprias palavras; veio para visitar os filhos que moram por aqui.
Mas o Fernando Ramos, editor do Jornal Vaia, atento como sempre, não deixou passar a oportunidade: com o pretexto de lançar no Rio Grande o recém impresso número 19 da revista Coyote (da qual o Ademir é um dos editores), bolou um encontro do Ademir com três ativos nomes da poesia gaúcha – Telma Scherer, Cristina Macedo e Ronald Augusto. Na terça, 14, estavam todos na Palavraria – inclusive os filhos do Ademir – para mais um estimulante bate-papo.

P1070079

A conversa girou em torno das revistas literárias: o fazer cotidiano e os desafios dos editores alternativos (a expressão é minha) para manter viva a palavra poética num mundo mercantilizado. Aliás, registro umas duas ou três frases de Ernesto Sábato que fizeram bela moldura para a discussão. A título de editorial, aparecem lá nas primeiras páginas da Coyote 19:

Não devemos desperdiçar a graça dos pequenos momentos de liberdade de que podemos desfrutar: uma mesa compartilhada com pessoas que amamos, umas criaturas que ampararemos, uma caminhada entre as árvores, a gratidão de um abraço. Nós nos salvaremos pelos afetos. O mundo nada pode contra um homem que canta na miséria.

COYOTE 19 03

Bacana que, como manda o figurino, o papo rolou com muita leitura. As gurias e os guris da mesa se puxaram e mandaram ver muito poema bom. Aproveito para concluir esta nota, reproduzindo dois poemas lidos com muita emoção pelo Ademir, numa homenagem póstuma ao poeta Rodrigo de Souza Leão, morto prematuramente há alguns dias.

Em tempo: a revista está um primor – editorial e gráfico. Vai para minha pilha de livros na cabeceira. Coyote 19 encontra-se à venda na Palavraria por R$ 10,00.

Valeu Telma, Ronald, Cristina. Valeu Ademir. Boa, Fernando.

Um abraço do Luiz Heron

Dois poemas de Rodrigo de Souza Leão:

I
Guelras e silêncio. As formigas passeiam pelos peixes. Jonas e sua baleia estão expostos. À mostra, toda a tradição. Estandartes nas mãos. Crianças começam a cantar o estribilho do hino nacional. As bandeiras se masturbam no vento. Poetas discutem a complexidade do mundo sem complexidade. O hino é belo e a flâmula é verde e amarela. Eu só queria romper a bolha que me prende a esta casa e a estes metros quadrados. Eu iria à feira ver os peixes mortos. Sentir o odor fétido das sardinhas expostas. E não ler em algum lugar que tudo está à venda. Inclusive as cabeças dos líderes da oposição poética. Um a um decapitados por serem apenas diferentes. [Do livro O caga-regras. Pará de Minas, Virtual Books, 2009.]

napalm_01

II
Cada gol é uma medalha no peito. O general tem muitas medalhas e nenhuma guerra. Em São Paulo, certa vez, uma mulher super-poderosa disse que eu tinha sido soldado em outra encarnação. Muitas guerras a serem vencidas. Era um garoto que como eu amava os Beatles e os Rolling Stones. Vietnã. Na veia. Helicópteros por todo o lado. Napalm. Gás mostarda. Baionetas enfiadas nos corpos. Injetando alguma química feroz. [Fragmento do livro Todos os cachorros são azuis, 2008.]

MARCADOR 01_LIVROS

 

21
jul
09

Mais promoções da Palavraria

promocoes 

Mais uma promoção da Palavraria: livros da Companhia das Letras com descontos de até 50%.

 

Escolha na lista abaixo os livros de sua preferência e faça sua reserva ou venha até a loja. Promoção válida até 30/09/09 ou enquanto durarem os estoques.

Rua Vasco da Gama, 165 – Bom Fim. Telefone 51 3268 4260 ou palavraria@palavraria.com.br.

 

FICÇÃO

A música de uma vida, Andrei Makine. De R$ 30,50 Por R$ 15,00. ROMANCE. Na União Soviética de Stálin, um pianista sobrevive à perseguição política, à guerra contra a Alemanha e aos campos de concentração, sempre movido pelo amor à música. Do mesmo autor do best-seller internacional O testamento francês, que vendeu 2 milhões de exemplares.

A noiva escura, Laura Restrepo. De R$ 62,50 Por R$ 29,50. ROMANCE. Sayonara é uma bela e misteriosa prostituta de Tora, pequena cidade na selva colombiana. Contrariando a regra fundamental da profissão, ela se apaixona – e por um homem que não a ama. A noiva escura alia jornalismo e literatura para narrar uma história trágica, que esboça um retrato profundo do povo colombiano.

Balela, Jon Scieszka. De R$ 29,00 Por R$ 14,50. INFANTO-JUVENIL. Igor Q. Balela é um extra-terrestre que sempre chega atrasado à escola. Desta vez, para se livrar do castigo inventa uma desculpa caprichada: uma história comprida e bem enrolada, que vem até com palavras em diversas línguas.

Bobby Gold, leão-de-chácara. Anthony Bourdain. De R$ 32,00 Por R$ 16,00. ROMANCE. Cenas da vida de um segurança de clube noturno, um leão-de-chácara especializado em quebrar ossos de pessoas que devem dinheiro ao seu patrão, mas que está insatisfeito com a profissão. Ao conhecer e se apaixonar por uma cozinheira especializada em molhos, sua vida violenta ganha um tempero inesperado.

Dias exemplares, Michael Cunningham. De R$ 58,50 Por R$ 29,00. ROMANCE. Da Nova York industrial de Walt Whitman a um futuro sombrio em que homens, andróides e extraterrestres habitam uma Terra semi-devastada, Michael Cunningham põe em cena vidas marginalizadas para desvelar a lógica absurda da máquina social. Do autor de As horas, vencedor do Prêmio Pulitzer. 

Jack Brodóski em Resgate no círculo de fogo, Flavio de Souza. De R$ 34,50 Por R$ 17,00. INFANTO-JUVENIL. No segundo volume da coleção Mapa da Aventura, Jack Brodóski vai a Los Angeles e à ilha de Java, com o objetivo de resgatar a amiga Velvet de um grupo de seqüestradores. Durante a viagem, Jack aprende coisas fascinantes sobre a geografia da Califórnia e sobre o teatro milenar da Indonésia.

Jack Brodóski no coração da Amazônia, Flavio de Souza. De R$ 34,50 Por R$ 17,00. INFANTO-JUVENIL. Primeiro volume das aventuras de Jack Brodóski, a estrela desta coleção que tem a geografia como tema. Auxiliado pelo professor Almendra, seu guia intelectual, Jack vai à Amazônia resolver um mistério digno dos melhores detetives. E, na companhia dele, os leitores conhecerão de perto uma das regiões geográficas mais ricas da Terra.

No país dos homens, Hisham Matar. De R$ 43,00 Por R$ 19,50. ROMANCE. Um menino de nove anos tenta entender o mundo à sua volta, nos anos mais cruéis da ditadura líbia de Muammar al-Kadhafi. Neste livro de estréia, Hisham Matar faz um retrato perturbador de uma sociedade opressora e violenta através do olhar poético e curioso de um garoto. 

O afinador de piano, Daniel Mason. De R$ 56,50 Por R$ 28,00. ROMANCE. Fascinante romance de estréia sobre a viagem do jovem inglês Edgar Drake, que no final do século XIX vai aos confins da então colônia britânica da Birmânia para afinar um piano raríssimo. No coração da selva, o afinador de piano entra em contato com mitos arcaicos, ingressa num universo de sonho, apaixona-se e reflete sobre a brutalidade do colonialismo. 

O mestre de esgrima, Arturo Pérez-Reverte. De R$ 46,50 Por R$ 19,50. ROMANCE. Na Madri do século XIX, uma conspiração contra a monarquia promove uma reviravolta na história espanhola. O professor de esgrima dom Jaime Astarloa é um homem aferrado à tradição. Envolvido pela misteriosa Adela de Otero, porém, ele se descobre imerso num mundo novo, ditado pela paixão, pela intriga e pela deslealdade.

O sangue do mundo: A outra viagem de Théo, Catherine Clément. De R$ 48,50 Por R$ 24,00.– ROMANCE. Théo Fournay e sua tia Marthe se lançam a outra viagem ao redor do mundo, desta vez para conhecer de perto as questões ambientais que tanto afligem o jovem Théo, protagonista do best-seller mundial A viagem de Théo.

O tempo e o espaço do tio Albert, Russel Stannard. De R$ 30,50 Por R$ 15,00. INFANTO-JUVENIL. No primeiro livro da série sobre as grandes teorias do mestre da física, tio Albert e a sobrinha Gedanken entram no perigoso e desconhecido mundo de um balão de pensamento com a missão de revelar os profundos mistérios do Tempo e do Espaço. A edição brasileira tem ilustrações do cartunista Laerte.

Questão de sangue, Ian Rankin. De R$ 52,00 Por R$ 26,00. ROMANCE POLICIAL. Tiros numa escola particular, policiais suspeitos de assassinato, tráfico de drogas, políticos inescrupulosos e jornalistas em busca de fama a qualquer preço. Com esses ingredientes Ian Rankin recria a Edimburgo dos dias de hoje, envolta numa atmosfera pesada e sufocante. 

 

NÃO-FICÇÃO

A escada espiral, Karen Armstrong. De R$ 51,00 Por R$ 24,00. MEMÓRIAS. Depois de viver sete anos em um convento e passar por um penoso tratamento psiquiátrico que culminou no diagnóstico de epilepsia, Karen Armstrong retraça em suas memórias o caminho que trilhou para encontrar sua verdadeira vocação.

O longo adeus a Pinochet, Ariel Dorfman. De R$ 41,50 Por R$ 19,50. HISTÓRIA. Em outubro de 1998, com a prisão do ex-ditador chileno Augusto Pinochet, em Londres, Ariel Dorfman se tornou porta-voz dos que exigiam justiça. Este relato combina crônica política, reportagem e memória para refletir sobre a história do Chile a partir do processo de prisão e julgamento do general, que escapou do júri ao alegar insanidade mental.

O Super-homem vai ao supermercado: Convenções políticas (1960-68), Norman Mailer. De R$ 53,50 Por R$ 26,00. JORNALISMO. Reportagens clássicas de convenções presidenciais nos Estados Unidos, por um dos escritores mais provocantes da literatura americana, O super-homem vai ao supermercado é um marco do jornalismo literário e um mergulho nos traumas e paradoxos da América. Posfácio de Sérgio Dávila.

Esqueletos no Saara, Dean King. De R$ 62,50 Por R$ 29,00. RELATO DE VIAGENS E AVENTURAS. O jornalista Dean King reconstitui, a partir do relato de dois sobreviventes, a história de um grupo de náufragos capturados no Saara no início do século XIX. Inclui um glossário de termos árabes, mapas e fotos da viagem de reconstituição empreendida pelo autor. 

Os planetas, Dava Sobel. De R$ 43,00 Por R$ 19,50. ASTRONOMIA. Uma bela viagem pelo Sistema Solar, com histórias e curiosidades sobre os planetas, o Sol e a Lua recolhidas das mais variadas fontes, como a astronomia, a mitologia, a literatura e a cultura popular.

American vertigo, Bernard-Henri Lévy. De R$ 57,00 Por R$ 26,00. CIÊNCIAS SOCIAIS. Durante quase um ano, Bernard-Henri Lévy viajou pelos Estados Unidos, onde percorreu 20 mil quilômetros. O resultado é este road-book filosófico-jornalístico, de leitura indispensável para quem se interessa pela identidade americana. Mais de 120 mil exemplares vendidos na França.

MARCADOR 01_LIVROS

20
jul
09

Dica de leitura, por Paulo Tedesco

dicas leitura 

Malagueta, Perus e Bacanaço, de João Antônio – por Paulo Tedesco

Título: Malagueta, Perus e Bacanaço
Autor: João Antonio
Editora: Cosac Naify, 2004

Minha Recomendação é Malagueta, Perus e Bacanaço, livro de João  Antônio. A começar pela qualidade do livro dessa recente edição e de uma bela surpresa com um encarte primoroso, a obra por si só é uma pérola da literatura brasileira, seja pela linguagem inovadora, pelo tema popular, seja pela ambientação e poéticas muito próprias de João Antônio. Enfim, maravilhoso.
PAULO TEDESCO 01

 

Paulo Tedesco é consultor gráfico e editor. Autor de Quem tem medo do Tio Sam?, contos e crônicas.

Links: http://paulotedesco.blogspot.com/

Um pouquinho mais sobre João Antônio

JOÃO ANTÔNIOJoão Antônio Ferreira Filho (São Paulo, 1937 – Rio de Janeiro, 1996), jornalista e escritor brasileiro, criador do conto-reportagem no jornalismo brasileiro e contista que se tornou conhecido por retratar os proletários e marginais que habitam as periferias das grandes cidades. Nos mais de quinze livros que deixou mostra sua extrema habilidade em fundir a linguagem falada nas ruas e a escrita literária. Atuou intensamente na imprensa e foi um ardoroso defensor dos direitos do escritor no Brasil. Premiada, sua obra é objeto de análise dos mais importantes críticos literários brasileiros.

MALAGUETA PERUS E BACANAÇOMalagueta, Perus e Bacanaço, livro de estréia em que João Antonio, aos 26 anos, viu-se imediatamente apontado pela crítica como sucessor da tradição fundada por Mário de Andrade e Antônio de Alcântara Machado, na qual a literatura e a capital paulistana são indissociáveis. Os contos de abertura equilibram com maestria a emotividade de histórias simples e uma notável ausência de sentimentalismo. Os últimos instauram aquele que seria um dos temas primordiais da obra do escritor: o mundo da sinuca e da malandragem, com seus tipos, sua ética, sua estética, por meio de uma estilização brilhante da linguagem oral. Acompanha a edição um encarte, com fotos inéditas e um pequeno relato sobre as circunstâncias em que o escritor compôs a antologia que até hoje é considerada sua maior obra-prima. O encarte traz, ainda, a narrativa que constituiu a gênese do conto-título do volume, “Malagueta, Perus e Bacanaço”. [Divulgação Cosac Naify]

Obras publicadas

1963 Malagueta, Perus e Bacanaço
1975 Leão-de-chácara
1975 Malhação do Judas carioca
1977 Lambões de caçarola
1977 Calvário e Porres do Pingente Afonso Henriques de Lima Barreto 1978 Ô Copacabana!
1978 Casa de Loucos
1982 Dedo-duro
1984 Meninão do caixote (coletânea)
1986 Abraçado ao meu rancor
1991 Zicartola e que tudo mais vá pro inferno!
1992 Guardador
1996 Patuléia1996 Sete vezes rua (Editora Scipione)
1996 Dama do Encantado

 

Os livros recomendados nesta seção podem ser adquiridos na Palavraria.
Informe-se da sua disponibilidade no estoque.
51 3268 4260
palavraria@palavraria.com.br

 

MARCADOR 01_LIVROS




julho 2009
S T Q Q S S D
    ago »
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Categorias

Blog Stats

  • 617,996 hits
Follow Palavraria – Livros & Cafés on WordPress.com

%d blogueiros gostam disto: